sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Solo le pido a Dios


Só peço a Deus
que a dor não me seja indiferente
que a seca morte não me encontre
vazia e só sem ter feito o suficiente
Só peço a Deus
que o injusto não me seja indiferente
que não me esbofeteem a outra bochecha
Depois que uma garra me arranhou essa sorte
Só peço a Deus
que a guerra não me seja indiferente
É um monstro grande e esmaga
Toda pobre inocência da gente
É um monstro grande e esmaga
Toda pobre inocência da gente
Só peço a Deus
que o engano não me seja indiferente
Se um traidor pode mais que uns quantos,
que esses não esqueçam facilmente
Só peço a Deus
que o futuro não me seja indiferente,
Desiludido está o que tem que marchar
para viver uma cultura diferente
Só peço a Deus
que a guerra não me seja indiferente
É um monstro grande e esmaga
Toda pobre inocência da gente
É um monstro grande e esmaga

ABBA, I have a dream


Eu tenho um sonho
Uma canção a cantar
Para me ajudar a lidar
Com qualquer coisa
Se eu ver o milagre
De um sonho de fadas
Você vai levar o futuro
Mesmo se você falhar
Eu acredito em anjos
Algo bom dentro
De tudo que eu vejo
Eu acredito em anjos
Quando eu sei às vezes
É correto para mim
Eu cruzarei a corrente
Eu tenho um sonho
Eu tenho um sonho
Uma fantasia
Para me ajudar completamente
Realidade
E meu destino
Faço valioso quando
Ainda com outra milha
Eu acredito em anjos
Algo bom dentro
De tudo que eu vejo
Eu acredito em anjos
Quando eu sei às vezes
É correto para mim
Eu cruzarei a corrente
Eu tenho um sonho

ESTOU TENTANDO


Eu gostaria de ser como a água,
que contorna seus obstáculos sem discutir e
buscar sempre o entendimento das coisas
Quero pintar o mundo de cores alegres
e redescobrir as coisas belas da vida...
Excluir do meu mundo o esnobismo,
a arrogância e a futilidade.
Não procurem me entender...
Isto já está estou tentando...
Ângela Guedes

AMIGAS




Somos três amigas, amantes dos encontros semanais
onde conversamos sobre os mais diversos assuntos.
Ao som de uma boa musica e uma cervejinha,
o tempo passa agradavelmente quando estamos reunidas.

O TEMPO É CRUEL


Tudo passa e tudo se renova na terra.
Quero um pedacinho de tempo.
Para poder descansar ...
O tempo é algo que não volta atrás
A cada segundo tudo de modifica para sempre.
Tudo é uma questão de tempo...
Hoje, é possível que O TEMPO me machuque e me atormente o ideal, incitando-me à aflição. Porém, AMANHÃ SERÁ OUTRO DIA.
Por maior que seja a duração de uma noite, ela nunca será para sempre. Pois, sempre haverá uma manhã e, o sol sempre brilhará no dia seguinte.
Agora, abre a temporada da esperança...
Ângela Guedes

(Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã)
Salmo 30.5

(O tempo é o melhor autor. Sempre encontra um final perfeito)
Charle Chaplin

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

MUDAM-SE OS TEMPOS, MUDAM-SE AS VONTADES



Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o Mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem se algum houve as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
e, enfim, converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto,
que não se muda já como soia.


Luís de Camões

O MEDO


O medo transforma em estranhos pessoas que sempre foram amigas.

Anônimo

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

DESAFIO DA SEXTA FOTO

Recebi este desafio da Sonia e hoje vim cumpri-lo.

Consiste, em ir à sua pasta de fotos no seu computador e procurar a sexta foto, publicá-la e descrevê-la.

Agora é só passar para seis blogs amigos.
Repasso agora este desafio para os seguintes amigos:

Pelos Caminhos da Vida
A Casa do Zé Carlos
Fernando Rodrigues Photografia
Meus Recados, Teus Recados
Retalhos
AS MINHAS ROMÃS




Quando vejo a Melina (neta) nesta foto, fico toda orgulhosa.
Ela esta no palco apresentando um número de dança da escola.
Eu estava sentada num canto assistindo e adorava ouvir as pessoas que estavam do meu lado comentar: “Mas que danada”, “Que linda”...
Óbvio, que as pessoas não sabiam que eu era a avó.
Foi ótima esta apresentação, ela estava muito espontânea e feliz.
Uma boa lembrança.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Mensagem emocionante sobre Amor, Perdas, Partidas e Saudade.


TUDO tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.
Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;
Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar;
Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar;
Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar;
Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora;
Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;
Tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz.

Rei Salomão

Tradução Português: Imagine - John Lennon


Pessoas São Músicas!

Elas entram na vida da gente e deixam sinais.

Como a sonoridade do vento ao final da tarde.

Como os ataques de guitarras e metais presentes em cada clarão da manhã.

Olhe a pessoa que está ao seu lado e você vai descobrir, olhando fundo, que há uma melodia brilhando no disco do olhar.

Procure escutar.

Pessoas foram compostas para serem ouvidas, sentidas, compreendidas, interpretadas.

Para tocarem nossas vidas com a mesma força do instante em que foram criadas, para tocarem suas próprias vidas com toda essa magia de serem músicas.

E de poderem alçar todos os vôos, de poderem vibrar com todas as notas, de poderem cumprir, afinal, todo o sentido que a elas foi dado pelo Compositor.

Pessoas são músicas como você.

Está ouvindo?

Como você.

Pessoas têm que fazer sucesso.

Mesmo que não estejam nas paradas.

Mesmo que não toquem no rádio.
José Oliva

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

BAILE DE MÁSCARAS


Baile de máscaras!

Você já tem a sua?

É bem provável que você não tenha apenas uma, mas várias máscaras.

Só que, ao invés de usá-las em bailes tradicionais, com data, hora e local apropriados, posso apostar que você usa suas máscaras diariamente, em diversas situações.

Não! Não estou lhe acusando de falsidade ou manipu-lação.

Aliás, não estou falando apenas de você, mas de todos nós.

Costumamos usar máscaras por diversos motivos.

Mas existe uma razão principal para esta escolha: o medo de sermos inadequados e, conseqüentemente, não-aceitos.

Acontece que, ultimamente, tenho percebido que uma máscara em especial está sendo bastante usada, por muitas pessoas.

Este uso generalizado parece ter uma intenção muito positiva.

Entretanto, mais do que causar verdadeira alegria em quem as usa e também em quem as vê, estou certa de que tem causado muito mais angústia, vazio e distanciamento daquilo que realmente importa.

É a máscara do "eu sou feliz".

Claro que ser feliz é muito bom e creio que realmente existam muitas pessoas felizes neste mundo.

Mas me parece que os motivos são outros.

Deveríamos nos sentir felizes pelo que somos, por nossa família, pelos amigos de longa data, pelo amor que sentimos por algumas pessoas especiais em nossas vidas.

Enfim, parece que deveríamos nos sentir gratos por uma felicidade genuína.

Pelo simples fato de estarmos vivos, de termos saúde, de conseguirmos superar dificuldades e termos a oportunidade de nos tornar pessoas melhores por conta disso.

No entanto, a máscara do "eu sou feliz" sustenta um sorriso vazio, um copo de chope na mão, um cigarro na outra e risadas fáceis demais, sem consistência, sem laços de afeto.

A máscara cai perfeitamente bem em baladas, rodas de amigos que acabamos de conhecer, departamentos de empresas... mas revela um olhar carente, uma boca triste, um coração sem rumo e solitário quando chega em casa, quando se deita para dormir...

Parece que a moda é estar sempre bem, de preferência o melhor da turma.

Sem problemas, sem medos, sem grilos ou neuroses.

Algo do tipo sobre-humano, encantador à primeira vista. Faz sentido!

Como é que poderíamos nos mostrar fragilizados, falar de dificuldades e compartilhar assuntos mais profundos e humanos se neste momento os amigos mascarados simplesmente desaparecem?

Como é que podemos nos sentir incluídos, parte de um grupo se quando mais precisamos das pessoas elas estão ocupadas demais com suas próprias vidas e morrendo de medo de você? Talvez seja mesmo fundamental o uso de máscaras, senão não suportaríamos a constatação de um mundo abarrotado de pessoas morrendo de solidão e desespero...

Porém, creio que há solução. Creio que há possibilidades. Acredito nas pessoas, sobretudo! Acredito no amor e no desejo real que temos de sermos felizes, sem máscaras.

Assim, arrisco-me a afirmar que precisamos mudar nossos desejos, adequá-los e vinculá-los a objetivos mais coerentes.

Repetimos o tempo todo: eu adoro conhecer gente nova, fazer novos amigos.

Gente, eu não tenho absolutamente nada contra conhecer gente nova, mas será que este é um objetivo coerente?

E as pessoas que já conhecemos?

Precisamos cativá-las, como ensina a raposa do Pequeno Príncipe*.

Precisamos nos deixar cativar, aprofundar as relações, criar laços... e isso requer tempo, dedicação, disponibilidade.

Isso requer sentar muitas vezes num sofá, tomar muitos cafés juntos, con-versar, trocar confidências, falar de coração aberto... isso sim é felicidade.

Compartilhar a vida, não de forma superficial e mascarada, mas de maneira mais profunda e humana.

Sugiro que você faça uma lista de pessoas de quem você realmente gosta, com quem você supõe que se sentiria feliz em criar laços.

Para cada uma delas, reserve um tempo, fique disponível, faça convites mais íntimos.

Um chá, uma festa, um encontro no cinema.

Qualquer programa, mas vá de peito aberto, disposto a se doar e a receber o outro.

Disposto a cativar e ser cativado.

Assim, de laço em laço, estou certa de que já não precisaremos tanto das máscaras.

E ficarão cada vez mais diminuídos dentro de nós sentimentos como medo, solidão, tristeza, desespero, confusão e aflição.

E sobrará espaço para a tão urgente e necessária solidariedade.

Não seja solitário.

Seja solidário!

( Rosana Braga )

AMOSTRA SEM VALOR


Li um poema no blog do José Manuel Brazão , do poeta António Gedeão “Poema do homem só” Achei tão lindo, cheio de verdade e sofrimento, que fui ver outras obras deste autor. Esta me encantou.

Amostra sem valor

Eu sei que o meu desespero não interessa a ninguém.
Cada um tem o seu pessoal e intransmissível:
com ele se entretém
e se julga intangível.

Eu sei que a Humanidade é mais gente do que eu,
sei que o Mundo é maior do que o bairro onde habito,
que o respirar de um só, mesmo que seja o meu,
não pesa num total que tende para infinito.

Eu sei que as dimensões impiedosas da Vida
ignoram todo o homem, dissolvem-no, e, contudo,
nesta insignificância, gratuita e desvalida,
Universo sou eu, com nebulosas e tudo.
António Gedeão

domingo, 22 de fevereiro de 2009

FÚRIA DA COLINA


Ontem à noite sonhei...
E o sonho era um poema
Falava de uma dor provocada por um vento cheio de fúria
O vento estava cheio de navalhas
Que deixava meu corpo todo marcado de feridas
Mas eu não me importava
Eu sabia que logo mais estas feridas
Seriam cicatrizadas...

Angela Guedes

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

VOA LIBERDADE


A maior solidão é a do ser que não ama.
A maior solidão é a dor do ser que se ausenta,
que se defende, que se fecha, que se recusa a participar da vida humana.
A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo,
no absoluto de si mesmo, o que não dá a quem pede o
que ele pode dar de amor, de amizade, de socorro.
O maior solitário é o que tem medo de amar, o que tem medo de ferir e ferir-se,
o ser casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo.
Esse queima como uma lâmpada triste, cujo reflexo entristece também tudo em torno.
Ele é a angústia do mundo que o reflete.
Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes de emoção,
as que são o patrimônio de todos,
e, encerrado em seu duro privilégio,
semeia pedras do alto de sua fria e desolada torre.

Voa, voa minha liberdade
Entra se eu servir como morada
Deixa eu voar na sua altura
Agarrado na cintura
Da eterna namorada
Voa feito um sonho desvairado
Desses que a gente sonha acordado
Voa, coração esvoaçante
Feito um pássaro gigante
Contra os ventos do pecado
Voa nas manhãs ensolaradas
Entra, faz verdade esta ilusão
Voa no estalo do meu grito
Quero ser teu infinito
Neste azul sem dimensão
Voa...
"Jessé"
(Esta é uma canção que não me canso de ouvir.
Liberdade é ter uma vida melhor)


quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

DIVAGAÇÃO EM VOZ ALTA II





Tenho o costume de ficar observando os casais quando vou a um restaurante ou uma festa.
É muito comum ver casais que não trocam uma palavra. Passam o tempo todo com uma expressão desinteressada e nem se incomodam em disfarçar.
Estão vazios...
Fico me perguntando o que os levou a este comportamento?
E por aí dou início a minha divagação...
Acredito que eles já se trataram com muita meiguice e importância, olhando nos olhos e com o sorriso fácil.
Em que ponto perderam a intimidade, a cumplicidade, a maneira gentil, as manifestações de carinho e amor. A indiferença está visível.
Acredito que estas pessoas já tiveram interesse pela vida um do outro. Buscaram alternativas para fugir do silencio, afinal de contas a indiferença não aparece, assim, de um dia para o outro.
Um amor é grande quando absolve, quando um se coloca no lugar do outro, quando atua não de acordo com o que esperamos da outra pessoa, mas de acordo com o que podemos oferecer.
Uma desilusão pode enfraquecer o tamanho de um amor que parecia ser muito bom. Uma carência pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser tão belo.
No auge da paixão, as falhas são ignoradas, mas, com o passar dos anos a paixão acaba aí as dificuldades começam a aparecer.
Paulo Mendes Campos numa crônica chamada “O Amor Acaba” fala sobre os casais que não conversam mais.
O amor acaba. Numa esquina, por exemplo, num domingo de lua nova, depois de teatro e silêncio; acaba em cafés engordurados, diferentes dos parques de ouro onde começou a pulsar; de repente, ao meio do cigarro que ele atira de raiva contra um automóvel ou que ela esmaga no cinzeiro repleto, polvilhando de cinzas o escarlate das unhas; na acidez da aurora tropical, depois duma noite votada à alegria póstuma, que não veio; e acaba o amor no desenlace das mãos no cinema, como tentáculos saciados, e elas se movimentam no escuro como dois polvos de solidão; como se as mãos soubessem antes que o amor tinha acabado; na insônia dos braços luminosos do relógio; e acaba o amor nas sorveterias diante do colorido iceberg, entre frisos de alumínio e espelhos monótonos; e no olhar do cavaleiro errante que passou pela pensão; às vezes acaba o amor nos braços torturados de Jesus, filho crucificado de todas as mulheres; mecanicamente, no elevador, como se lhe faltasse energia; no andar diferente da irmã dentro de casa o amor pode acabar; na epifania da pretensão ridícula dos bigodes; nas ligas, nas cintas, nos brincos e nas silabadas femininas; quando a alma se habitua às províncias empoeiradas da Ásia, onde o amor pode ser outra coisa, o amor pode acabar; na compulsão da simplicidade simplesmente; no sábado, depois de três goles mornos de gim à beira da piscina; no filho tantas vezes semeado, às vezes vingado por alguns dias, mas que não floresceu, abrindo parágrafos de ódio inexplicável entre o pólen e o gineceu de duas flores; em apartamentos refrigerados, atapetados, aturdidos de delicadezas, onde há mais encanto que desejo; e o amor acaba na poeira que vertem os crepúsculos, caindo imperceptível no beijo de ir e vir; em salas esmaltadas com sangue, suor e desespero; nos roteiros do tédio para o tédio, na barca, no trem, no ônibus, ida e volta de nada para nada; em cavernas de sala e quarto conjugados o amor se eriça e acaba; no inferno o amor não começa; na usura o amor se dissolve; em Brasília o amor pode virar pó; no Rio, frivolidade; em Belo Horizonte, remorso; em São Paulo, dinheiro; uma carta que chegou depois, o amor acaba; uma carta que chegou antes, e o amor acaba; na descontrolada fantasia da libido; às vezes acaba na mesma música que começou, com o mesmo drinque, diante dos mesmos cisnes; e muitas vezes acaba em ouro e diamante, dispersado entre astros; e acaba nas encruzilhadas de Paris, Londres, Nova Iorque; no coração que se dilata e quebra, e o médico sentencia imprestável para o amor; e acaba no longo périplo, tocando em todos os portos, até se desfazer em mares gelados; e acaba depois que se viu a bruma que veste o mundo; na janela que se abre, na janela que se fecha; às vezes não acaba e é simplesmente esquecido como um espelho de bolsa, que continua reverberando sem razão até que alguém, humilde, o carregue consigo; às vezes o amor acaba como se fora melhor nunca ter existido; mas pode acabar com doçura e esperança; uma palavra muda ou articulada, e acaba o amor; na verdade; o álcool; de manhã, de tarde, de noite; na floração excessiva da primavera; no abuso do verão; na dissonância do outono; no conforto do inverno; em todos os lugares o amor acaba; a qualquer hora o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba; para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

MANIA DE EXPLICAÇÃO


(Mel na foto)

Era uma menina que gostava de inventar uma explicação para cada coisa.
Explicação é uma frase que se acha mais importante do que a palavra.
As pessoas até se irritavam, irritação é um alarme de carro que dispara bem no meio de seu peito, com aquela menina explicando o tempo todo o que a população inteira já sabia. Quando ela se dava conta, todo mundo tinha ido embora. Então ela ficava lá, explicando, sozinha.
Solidão é uma ilha com saudade de barco.
Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança pra acontecer de novo e não consegue.
Lembrança é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta um capítulo.
Autorização é quando a coisa é tão importante que só dizer "eu deixo" é pouco.
Pouco é menos da metade.
Muito é quando os dedos da mão não são suficientes.
Desespero são dez milhões de fogareiros acesos dentro de sua cabeça.
Angústia é um nó muito apertado bem no meio do sossego.
Agonia é quando o maestro de você se perde completamente. Preocupação é uma cola que não deixa o que não aconteceu ainda sair de seu pensamento.
Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer mas acha que devia querer outra coisa.
Certeza é quando a idéia cansa de procurar e pára.
Intuição é quando seu coração dá um pulinho no futuro e volta rápido.
Pressentimento é quando passa em você o trailer de um filme que pode ser que nem exista.
Renúncia é um não que não queria ser ele.
Sucesso é quando você faz o que sempre fez só que todo mundo percebe.
Vaidade é um espelho onisciente, onipotente e onipresente. Vergonha é um pano preto que você quer pra se cobrir naquela hora.
Orgulho é uma guarita entre você e o da frente.
Ansiedade é quando faltam cinco minutos sempre para o que quer que seja.
Indiferença é quando os minutos não se interessam por nada especialmente.
Interesse é um ponto de exclamação ou de interrogação no final do sentimento.
Sentimento é a língua que o coração usa quando precisa mandar algum recado.
Raiva é quando o cachorro que mora em você mostra os dentes.
Tristeza é uma mão gigante que aperta seu coração.
Alegria é um bloco de Carnaval que não liga se não é fevereiro.
Felicidade é um agora que não tem pressa nenhuma.
Amizade é quando você não faz questão de você e se empresta pros outros.
Decepção é quando você risca em algo ou em alguém um xis preto ou vermelho.
Desilusão é quando anoitece em você contra a vontade do dia.
Culpa é quando você cisma que podia ter feito diferente, mas, geralmente, não podia.
Perdão é quando o Natal acontece em maio, por exemplo.
Desculpa é uma frase que pretende ser um beijo.
Excitação é quando os beijos estão desatinados pra sair de sua boca depressa.
Desatino é um desataque de prudência.
Prudência é um buraco de fechadura na porta do tempo.
Lucidez é um acesso de loucura ao contrário.
Razão é quando o cuidado aproveita que a emoção está dormindo e assume o mandato.
Emoção é um tango que ainda não foi feito.
Ainda é quando a vontade está no meio do caminho.
Vontade é um desejo que cisma que você é a casa dele.
Desejo é uma boca com sede.
Paixão é quando apesar da placa "perigo" o desejo vai e entra.
Amor é quando a paixão não tem outro compromisso marcado. Não. Amor é um exagero... Também não. É um desadoro... Uma batelada? Um enxame, um dilúvio, um mundaréu, uma insanidade, um destempero, um despropósito, um descontrole, uma necessidade, um desapego? Talvez porque não tivesse sentido, talvez porque não houvesse explicação, esse negócio de amor ela não sabia explicar, a menina.

Adriana Falcão

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

DIVAGAÇÃO EM VOZ ALTA I


Lamentos, queixas e reclamações não são simplesmente repulsivas, são sintomas de egoísmo.
Vi esta frase num livro e pensei, em certos momentos de nossas vidas não nos damos conta do nosso egoísmo, até utilizamos como estratégia de autodefesa.
As fortes preocupações conseguem nos deixar estranho ao que ocorre em nossa volta, mas, não justifica.
Por mais duras que sejam as condições, somos apenas mais uma pessoa que sofre e que tem problemas.
Reconheço que às vezes aumentamos tanto um problema que ele passa a nos desgastar sem que nos lembremos de fazer um empenho para de fato resolve-lo. Daí vem nosso egoísmo, achando que as pessoas têm que nos agüentar, por dias e dias...
Ficamos tão dependentes da amizade e generosidade de nossos amigos e familiares, que descarregamos nossos problemas achando que todos têm o dever de compartilhar.
Este é um hábito, que coloca nossos interesses, opiniões e desejos acima de qualquer pessoa, aí não conseguimos nos imaginar sem ser a prioridade no mundo em que vivemos.
Tenho sido muito egoísta, mas, vou me penitenciar por isso.

Me aguardem!!!
Ângela Guedes

DIZ MAOMÉ



Quem quiser plantar saudade,

trate de escolher a semente.

Plante no solo bem duro,

onde o Sol seja mais quente.

Pois se plantar no molhado,

ela cresce e mata a gente.

Maomé profeta árabe nascido em Meca, na atual Arábia Saudita. Líder religioso, e último profeta do Deus de Abraão.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

LENDA URBANA


LENDA URBANA
Sabe estas historias que vão sendo divulgadas principalmente de forma oral, de geração para geração?
Quando éramos crianças críamos nestas lendas ainda hoje há quem acredite, mas geralmente é na infância que elas ficam marcadas.
A lenda também servia para os adultos se divertirem um pouco, rindo das crianças ingênuas que acreditavam naquilo que lhe contassem.
Muitas das lendas urbanas são, em sua origem, fundamentada em casos reais ou ansiedades legítimas, mas, geralmente, acabam alteradas ao longo do tempo.
A nossa natureza fantasiosa nos levam a criar muitas lendas.
Algumas lendas urbanas:
A Bruxa
A Bruxa dos medos infantis só aparece nas ameaças noturnas quando a criança teima em não dormir. É um mito comum em todo Brasil, e ora se confunde com a Cuca, ou outras figuras da noite, usadas desde os tempos antigos para controlar crianças inquietas.
O Zumbi
Interessante mito do nosso Folclore, que algumas vezes se confunde com o Saci, ou mesmo com o Herói que liderou a rebelião dos Palmares Alagoanos. É um mito que explica inclusive de onde surgiram algumas expressões importantes do nosso vocabulário.
A Cuca
Embora a maioria a identifique como uma velha enrugada, de cabelos brancos e assanhados, muito magra, sempre ávida por crianças que não querem dormir cedo e fazem barulho, há muito mais por trás desse curioso mito de nossa cadeia folclórica.
A Lenda do Curupira ou Caipora
Personagem protetor das florestas e dos animais e tem os pés ao contrário. Dizem ser originária do Sudeste, mas, na verdade por ser um mito comum em
todo o mundo é comum também em todo Brasil, com pequenas variações entre regiões.
O Boi-Tatá
Animal extraordinário que vive nos rios e tem os olhos de fogo. Este mito, apesar de muito comum entre os índios, ocorre em todo país e na América do Sul e Central.
A Matinta-Perêra
Misteriosa criatura, ora pássaro ora gente, que vive nas matas. Embora, muito comum nos estados da Região Norte, é conhecido no País inteiro, já que é uma variação da Lenda do Saci Pererê e do Caipora.
O Lobisomem
Criatura, metade homem e metade lobo. De acordo com a lenda se alimentava de crianças. Lenda Européia, mas hoje comum em todo mundo.
A Mula-sem-cabeça
Uma estranha aparição que corre pelas ruas dos pequenos povoados assustando todo mundo. Dependendo da região, ela pode ou não ter cabeça.
A Mulher da Meia Noite
Aparição na forma de uma mulher jovem e bonita, que encanta a todos e desaparece na porta dos cemitérios. Eis um mito que ocorre nas Américas e na Europa, com relatos desde a Idade Média. O personagem pode variar de um País para outro.

CANSEI!!!


Venho por meio desta apresentar oficialmente
meu pedido de demissão da categoria de adultos.
Resolvi que quero voltar a ter as responsabilidades e as idéias
de uma criança de oito anos no máximo!
Quero acreditar que o mundo é justo
e que todas as pessoas são honestas e boas.
Quero acreditar que tudo é possível.
Quero voltar a ter uma vida simples, sem complicações.
Cansei dos computadores que falham da montanha de papel,
das notícias deprimentes, doenças, mentiras, falsidades!
Não quero mais ser obrigada a dizer adeus a pessoas queridas e,
com elas dar adeus a uma parte da minha vida.
Quero ter certeza de que Deus está no céu, e de que, por isso,
está tudo direitinho nesse mundo.
Quero viajar ao redor do mundo num barquinho de papel
que vou navegar numa poça deixada pela chuva.
Quero jogar pedrinhas na água e ter tempo
para olhar as ondas que elas formam.
Quero achar que as moedas de chocolate
são melhores que as de verdade.
Quero ficar feliz quando amadurecer o primeiro caju,
a primeira manga,
ou quando a jabuticabeira ficar pretinha de frutas.
Quero acreditar no poder do sorriso, do abraço,
das palavras gentis, da justiça, da paz, dos sonhos,
da imaginação, dos castelos de areia.
Bom: a partir de hoje, como disse,
estou me demitindo da vida de adulto.
Se quiser discutir alguma questão vai ter que me pegar.
Porque o "pegador" está com você.
Pega-pega vai!
Só que para me pegar você tem que se demitir também.
Senão, não brinco mais.
Ah, quer saber, deixa para lá.
Vamos dar as mãos e sair correndo, rindo.
Quer brincar de outra coisa?
Vamos brincar que já somos gente grande?
Mas tem que ser logo, pois preciso voltar para casa cedo.

(Recebi este texto , e achei muito interessante)

Desejo a todos uma ótima semana

DEZ PRECEITOS DA SERENIDADE




Só por hoje tratarei de viver exclusivamente este dia, sem querer resolver o problema de minha vida, todo de uma vez.
Só por hoje terei o máximo cuidado com o meu modo de tratar os outros: delicado nas minhas maneiras, não criticarei ninguém, não pretenderei melhorar nem disciplinar ninguém a não ser a mim.

Só por hoje sentir-me-ei feliz com a certeza de ter sido criado para ser feliz, não só no outro mundo, mas também neste.

Só por hoje adaptar-me-ei às circunstâncias sem pretender que as circunstâncias se adaptem a todos os meus desejos.

Só por hoje dedicarei dez minutos do meu tempo a uma boa leitura, lembrando-me de que assim como é preciso comer para sustentar o meu corpo, assim também a leitura é necessária para alimentar a vida de minha alma.

Só por hoje praticarei uma boa ação sem contá-la a ninguém.

Só por hoje farei uma coisa de que não gosto, e se for ofendido em meus sentimentos, procurarei que ninguém o saiba.

Só por hoje far-me-ei um programa bem completo do meu dia. Talvez não o execute perfeitamente, mas em todo caso vou fazê-lo. E guardar-me-ei bem de duas calamidades: a pressa e a indecisão.

Só por hoje ficarei bem firme na fé de que a Divina Providência se ocupa de mim mesmo como se existisse somente eu no mundo, ainda que as circunstâncias manifestem o contrário.

Só por hoje não terei medo de nada. Em particular, não terei medo de gostar do que é belo e não terei medo de crer na bondade.


(Papa João XXIII)

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

QUEM DISSE?


(Imagem Monika Helgesen)




Quem disse que não experimentará

nenhuma gota a mais, de veneno...

Se quando estamos inteiros,

há sempre quem nos peça para provar?

Quem disse que desta água barrenta,

jamais beberemos,

Se a sede pode ter sido causada por terceiros,

sem condições de saciar?

Quem disse que agimos errado,

pelas tentativas frustradas,

Se na hora do açoite,

não havia ninguém para conosco, chorar?

Quem disse que a aliança é sagrada,

eterna, indissolúvel,

Se depois dos pratos quebrados,

quem consegue representar?

Quem disse que tudo é verdadeiro,

que não há erro nos livros,

Se há tantos gênios hipócritas,

querendo nos disciplinar?

Quem disse que a solidão e a saudade,

são as piores torturas,

Se convivendo com elas,

aprendemos ao amor, respeitar?

Angela Lara

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

DESAFIO CIDADE / PACATUBA

Este foi um desafio da Entre a Razão e a Emoção e tem as seguintes regras:
1. Escolher o nome da cidade, actual ou da antiguidade, cujo nome ache o mais bonito entre todos os nomes de cidade que você conhece.
2. Postar uma foto dessa cidade
3. Escrever algo, ou alguma referencia sobre a cidade escolhida.
4. Indicar três pessoas para fazerem a mesma coisa.


Fiquei muito feliz em poder resgatar esse passado tão maravilhoso!

Inicialmente devo esclarecer que deixei fisicamente Pacatuba, desde 1977, claro que já retornei muitas vezes, estou constantemente presente na minha terra natal, acredito com a finalidade de matar um pouco a saudade que sinto, principalmente dos meus familiares, amigos e lembrar as férias escolares.
A Sede está encravada numa área de planície ao pé da Serra da Aratanha.
Verde, cultura e religiosidade. Uma receita diversificada que atrai visitantes de várias partes do Brasil e também do mundo.
Em meio às belezas naturais destaca-se a Estação Turística Parque das Andréas, um conjunto de bicas naturais que formam piscinas ao pé da serra.
Pacatuba também é religiosidade. Prova disso é a via-sacra do município, A produção do espetáculo ´A Paixão de Cristo de Pacatuba´ traz mais de 150 atores em cena, despertando emoções e arrancando aplausos de um público de mais de 15 mil pessoas por edição. A encenação dos últimos dias de Jesus Cristo é a mais importante do Ceará.
A existência em abundância de um pequeno mamífero conhecido pelo nome de paca conferiu-lhe o nome que, na língua tupi, significa: paca (animal) + tuba (lugar abundante), traduzindo-se, portanto como "lugar de muita paca" PACATUBA. (HOJE ESTE ANIMAL ESTÁ EXTINTO)
Sinto muitas saudades!!! Foi nesta cidade que passei os melhores momentos da minha vida...

Os escolhidos desta vez são:



quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

MANIA DE PERFEIÇÃO

( Imagem Monika Helgesen)


Veja esta frase: "Não há nada tão bom que não possa melhorar"? Ou então esta "Se é pra sair bem feito, é melhor fazer sozinha"? há, como eu adotei esta postura, e muitas vezes, essa mania de perfeição atrapalhou muito, mas, por outro lado, rendeu alguns elogios... (Poucos é verdade)
Aqui em casa tenho fama de perfeccionista, mais muitas vezes confundida por (toc), brincam minhas filhas.
Elas me culpam por não saber fazer certas coisinhas domestica, porque eu não tinha paciência de ensinar, com medo da bagunçada que ia ficar.
Afinal, ser perfeccionista é uma qualidade ou um tremendo defeito?



Ana Maria Rossi, presidente da ISMA-BR (International Stress Management Association no Brasil) e organizadora do livro "Stress e Qualidade de Vida no Trabalho - perspectivas atuais da saúde ocupacional" (Editora Atlas), o perfeccionismo não apenas é uma doença como também pode provocar outras. "O perfeccionista é aquele que quer fazer tudo e tudo tem que ser 100%, como uma compulsão. O resultado disso é que ele se sobrecarrega profissional e emocionalmente", explica ela, salientando que a procura pela perfeição é frustrante e estressante uma vez que é irreal.
Ana Maria defende que há uma grande diferença entre excelência e perfeição. "As pessoas devem se dar conta de suas limitações e buscar fazer o seu melhor naquele momento e delegar o que não for sua especialidade", afirma. Segundo ela, os perfeccionistas estão sempre tensos, em estado de vigília. Por isso, têm mais tendência a ter enxaquecas, dores musculares e hipertensão arterial. "Para evitar que isso aconteça, em primeiro lugar, a pessoa deve se dar conta de que o perfeccionismo é uma deficiência e não deve ser cultivado. Em seguida, ela deve procurar fazer uma reestruturação mental e se reprogramar para não se colocar em situações de tamanho desgaste emocional", finaliza.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

SÓ DEPENDE DE VOCÊ

(Para os chineses e japoneses, as borboletas junto às flores era sinônimo de felicidade)

O amor que quer encontrar nos outros...
depende de você.
A paz que busca numa procura desesperada... depende de você.
O diálogo, base de toda convivência... depende de você.
O caminho para a renovação... depende de você.
A realização dos seus grandes sonhos... depende de você.
Reclamar ou servir,
Revoltar ou ponderar,
Desprezar ou valorizar,
Omitir ou colaborar,
Adoecer ou curar,
Rebaixar ou elevar,
Monologar ou dialogar,
Fechar-se ou abrir-se,
Estacionar ou progredir.
Tudo é uma questão de escolha...
...e esta escolha depende
UNICAMENTE DE VOCÊ!!!
E já que tudo depende SÓ DE VOCÊ...
TRATE DE SER FELIZ !!!


DESCONHEÇO O AUTOR.


"Se as coisas não saíram como planejei, posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar. O dia está à minha frente, esperando para ser o que eu quiser. E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma ao meu dia e ao mundo.Tudo depende só de mim"

COMEÇANDO A CONHECER-ME



Não existo.

Começo a conhecer-me.

Não existo.

Sou o intervalo entre o que

desejo ser e os outros me fizeram,

ou metade desse intervalo,

porque também há vida ...

Sou isso, enfim ...

Apague a luz, feche a porta e

deixe de ter barulhos de

chinelos no corredor.

Fique eu no quarto

só com o grande sossego de mim mesmo.

É um universo barato.

(Álvaro de Campos

heterônimo de Fernando Pessoa)

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

RETRATO


Eu não tinha este rosto de hoje,

assim calmo, assim triste, assim magro,

nem estes olhos tão vazios,

nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,

tão paradas e frias e mortas;

eu não tinha este coração

que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,

tão simples, tão certa, tão fácil:

- Em que espelho ficou perdida

a minha face?

Cecília Meireles

EM AGUM LUGAR NO PASSADO



Já li este livro!!!
Já estive neste lugar antes!!!
Já assisti este filme!!!
Já conheço esta pessoa!!!
Às vezes eu tenho esta sensação de estar revivendo alguma experiência passada, uma situação que esta acontecendo pela segunda vez, isso me deixa intrigada.
Um conversa com minha filha, é um exemplo fiquei embaraçada, pois tinha certeza que aquilo estava se repetindo, eu antecipava os diálogos, terminava as frases dela, eu tinha certeza que não tinha sido exatamente com ela, mas, sabia que estava acontecendo pela segunda vez.
Já tive varias experiências de que fiz ou disse anteriormente há muito tempo, ou de que estive algum lugar no passado, ou que aquela pessoa não é estranha.
Parece que estou no passado.
Às vezes acontece como se fosse um pequeno clipe passando em sua mente, você está ali conversando com alguém e na mesma hora tem a nítida sensação de algum dia, você já esteve ali com aquela mesma roupa conversando com aquela mesma pessoa.
Não fico assustada, mas é muito estranho, a pessoa vivenciar a sensação de algo já ter ocorrido, ou de já ter estado em um determinado lugar, conseguir prever o que ocorrerá no roteiro que está experimentando aparentemente pela primeira vez, mas que sente ser familiar, mesmo que pareça impossível já ter vivido esta experiência anteriormente, em algum lugar no passado.
Ângela Guedes

REVERÊNCIA AO DESTINO


Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.

Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.

Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.

Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.

Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso. E com confiança no que diz.

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.

Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer ou ter coragem pra fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.

Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende. E é assim que perdemos pessoas especiais.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.

Difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar.

Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.

Fácil é dizer "oi" ou "como vai?"

Difícil é dizer "adeus", principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas...

Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.

Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.

Fácil é querer ser amado.

Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar, e aprender a dar valor somente a quem te ama.

Fácil é ouvir a música que toca.

Difícil é ouvir a sua consciência, acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.

Fácil é ditar regras.

Difícil é seguí-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

Fácil é perguntar o que deseja saber.

Difícil é estar preparado para escutar esta resposta ou querer entender a resposta.

Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.

Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

Fácil é dar um beijo.

Difícil é entregar a alma, sinceramente, por inteiro.

Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.

Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.

Difícil é ocupar o coração de alguém, saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites.

Difícil é lutar por um sonho.

Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.

Carlos Drummond de Andrade

domingo, 8 de fevereiro de 2009

O FLORICULTOR



Era uma vez um homem que tinha uma floricultura, e alguém que vivia por entre flores, só podia entender muito de amor.
Verdade, ele entendia!
Tinha histórias muito interessantes para contar.
Mas de todas as histórias que ele contava, tinha uma especial que eu nunca esqueci.
Vou contá-la para você, exatamente
como ele contava!
-”O amor não precisa ser dito, ele é sentido, e quando sentido, é possível vê-lo; ele toma forma real, deixa de ser abstrato.”
Naquela ocasião, pouco pude entender tais palavras, mas mesmo assim, dava vontade de ver o amor com nossos próprios olhos... e uma curiosidade de saber se era perfeito, se era bonito, se irradiava luminosidade...
Bem vamos à história.
Era um dia dos namorados, quando um rapaz entrou correndo em sua loja e disse-lhe:
-Por favor, senhor, providencie-me um buquê de flores.
-E que tipo de flores você quer?
-Qualquer tipo. Só quero que seja algo que faça vista; pode ser o mais caro que o senhor tiver aí.
-Está certo. Então tome o cartãozinho para você escrever.
-Não tem necessidade, é para a minha namorada e como hoje é o dia dos namorados, ela saberá que é meu.
-Você que sabe, mas no seu lugar, eu escreveria.
-Não posso, estou com muita pressa!
-Vou levar meu carro para lavar.
Depois que o rapaz se foi, o senhor ficou ali a pensar como alguém poderia enviar flores sem as escolher, sem escrever um cartão com uma bonita dedicatória... mas, enfim preparou um bonito buquê e mandou para o tal endereço pensando...
“Coitada dessa moça!”
Algumas horas depois, outro rapaz entrou na sua loja.
-Senhor, por favor, eu quero mandar uma flor para alguém.
-Ela é muito especial, mas não tenho dinheiro suficiente para um buquê requintado sendo assim, terá que ser somente uma rosa, mas faço questão q seja a mais linda que exista em sua floricultura.
-Pois bem, você quer escolhê-la ou prefere q eu escolha?
-Gostaria de escolher, mas aceito a sua sugestão, porque tenho certeza que o senhor entende bem disso.
-Será um prazer! É sua namorada, não?
-Não senhor... Ainda não... Mas isso não é importante; o importante é que eu a amo e acho que hoje é um bom dia para dizer isso a ela.
-Muito bem, concordo com você.
-Talvez eu devesse escolher um botão de rosa, não acha?
-Afinal nosso amor ainda não floresceu.
-Muito bem pensado!
Naquele instante o senhor percebeu que o rapaz, assim como ele, entendia de amor e com certeza estava vivendo um doce amor.
-Por favor, faça o invólucro mais bonito que o senhor puder fazer enquanto escrevo o cartão.

“Meu amor, estou lhe mandando esse botão de rosa juntamente com meu carinho. A mim não importa que você não me ame, porque apesar do meu amor ser solitário ele é verdadeiro e sendo verdadeiro, confio que um dia poderá viver acompanhado do seu.
Não tenho pressa, amor de verdade não tem pressa, amor de verdade não escraviza, nem exige apenas se importa em doar.
Um FELIZ DIA DOS NAMORADOS ao lado de quem você amar.
Um beijo!”

Depois que escreveu o cartão, o rapaz entregou ao senhor e disse-lhe:
-Leia, por favor, e me dê a sua opinião.
-Perfeito, gostei muito, só faltou um pequeno detalhe, você se esqueceu de assiná-lo.
-Não esqueci não, é que não é importante por enquanto que ela saiba quem sou eu. Nesse momento eu só pretendo que ela sinta que eu existo.
O senhor sorriu e disse-lhe:
-Muito bem, meu filho, torço por você!
Passaram-se os dias, os meses e um novo dia dos namorados chegou. Por aquelas coincidências da vida novamente o primeiro rapaz voltou a loja, e disse:
-Bom dia, senhor, lembra-se de mim?
-Lembro, sim e então, como vai o namoro?
-Ih o senhor nem imagina!
-Depois daquele dia dos namorados do ano passado, ela terminou comigo e eu nunca entendi a razão, agora já estou namorando outra.
-Mas ela não deu nenhuma explicação?
-Ah deu sim uma explicação que não entendi! Ela me disse que estava perdendo por causa de um botão de rosa.
-O senhor entende não é, bobagem de mulher!
-Entendo sim, quem não entendeu foi você!
(Desconheço o autor)

sábado, 7 de fevereiro de 2009

COMPORTAMENTO


Um dia, Meher Baba perguntou aos seus discípulos o seguinte:
- Porque as pessoas gritam, quando estão aborrecidas?
Os homens pensaram por alguns momentos:
- Porque perdemos a calma - disse um deles - por isso, gritamos.
- Mas, porque gritar quando a outra pessoa está ao teu lado?
- Perguntou Baba - Não é possível falar-lhe em voz baixa?
- Porque gritas a uma pessoa, quando estás aborrecido?
Os homens deram algumas respostas, mas nenhuma delas satisfazia ao Baba.
Finalmente, ele explicou:
- Quando duas pessoas estão aborrecidas, seus corações se afastam muito.
Para cobrir esta distância precisam gritar para poder escutar-se.
Quanto mais aborrecidas estejam, mais forte terão que gritar para escutar-se um ao outro, através desta grande distância.
Em seguida, Baba perguntou:
- O que sucede quando duas pessoas se enamoram?
Elas não se gritam, mas sim, se falam suavemente, porque?
Seus corações estão muito perto.
A distância entre elas é pequena.
Baba continuou... - Quando se enamoram, acontece mais alguma coisa?
Não falam, somente sussurram e ficam mais perto ainda de seu amor.
Finalmente, não necessitam sequer sussurrar, somente se olham e isto é tudo.
Assim é quando duas pessoas, que se amam, estão próximas.
Então, Baba disse:
“Quando discutirem, não deixem que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais. Chegará um dia, em que a distância será tanta, que não mais encontrarão o caminho de volta.”

DEUS NÃO FEZ ISSO

















FOMOS NÓS.
"Se estamos sofrendo, é porque estamos colhendo os frutos amargos das sementeiras errôneas. Fique alerta quanto ao momento presente. Plante apenas sementes de sinceridade e de amor, para colher amanhã os frutos doces da alegria e da felicidade. Cada um colhe, exatamente, aquilo que plantou."





sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

FRASES DE OSCAR WILDE


"Frequentemente tenho longas conversas comigo mesmo, e sou tão inteligente que algumas vezes não entendo uma palavra do que estou dizendo."

"Nunca confie numa mulher que diz a sua verdadeira idade. Se ela diz isso, é capaz de dizer qualquer coisa"

"Perdoe seus inimigos – nada os aborrece tanto."

"A mim dai-me o supérfluo, que o necessário todo mundo pode tê-lo."

"A diferença entre literatura e jornalismo é que o jornalismo é ilegível e a literatura não é lida."

"É um absurdo nos dividirem em gente boa ou má. Somos apenas encantadores ou entediantes."

"Eu faria qualquer coisa por recuperar a juventude... exceto fazer exercícios, madrugar ou ser um membro útil da comunidade."

"Homens sempre querem ser o primeiro amor da mulher, e mulheres sempre querem ser o último romance do homem."

"Não gosto de saber o que as pessoas dizem pelas minhas costas. Posso ficar vaidoso."

(Oscar Wilde foi um dramaturgo, escritor e poeta irlandês. Expoente da literatura inglesa durante o período vitoriano, sofreu enormes problemas por sua condição homossexual, sendo preso e humilhado perante a sociedade).

ENSINAMENTO DIVINO




Outra noite conversando com uma estrela distante
Vi raios que emanavam luzes de esperanças
Bálsamo para uma mente pulsante
Me respondeu em forma de dança

Dançou em seu universo infinito
Em um balanço crescente
E o céu se fez bonito
Com seu rebolar de estrela cadente

Outra noite lamentando com uma estrela solitária
Senti um calor percorrer meu corpo
Agasalho certo em forma imaginária
Me aqueceu como num todo

Respondeu de forma silenciosa
Emitindo luzes em forma de abraços
Sozinha mas poderosa
Me ensinou a caminhar com meus próprios passos

Outra noite agradecendo uma estrela divina
A lua chegou mais perto
E assim meio na surdina
Escutou o que eu disse por certo

Estrelas em seu esplendor
Me mostram o caminho a seguir
E agora quando a dor ou temor
Se apossam de mim... eu sei onde ir

Olho para cima
Procuro por estrelas
Elas dominam, fascinam, ensinam
Somente ao vê-las...

(Angela Bretas)

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

PERDÃO


Aqui me tens, meu Deus, em confissão.
Não roubei. Não matei. Não caluniei.
Mas nem sempre segui a tua lei,
nem sempre fui a irmã do meu irmão.
Não recusei aos outros o meu pão.
Amor, algumas vezes, recusei.
Mas, por tudo o que dei e o que não dei,
eu te peço, meu Deus, o teu perdão.
Perdão para os meus erros conscientes
e para os meus pecados inocentes,
para o mal que já fiz e ainda fizer. .
Perdão para esta culpa original,
para este longo e complicado mal:
o crime, sem perdão, de ser mulher.

Fernanda de Castro

DOPPELGÄNGER


Existem dois de mim. Um que nada contra a correnteza e outro que se deixa levar por ela.
Um que sofre e vive em busca da felicidade e outro que aprendeu a ser feliz, sim porque é preciso saber sentir a felicidade.

A minha cópia está presa dentro da ilusão, mas o meu original está saindo da Matrix.
Existem pedaços de mim espalhados por aí, por toda parte.
Há ecos meus batendo nas paredes e voltando.
E o reflexo de minha luz ilumina o que ainda tenho de sombra.O duplo que me pluraliza nasce da minha singular existência.

Há um de mim que se revolta, brada aos quatro ventos que não aceita a subversão, mas o outro, passivo, calmo e manso que pasta silenciosamente pelo campo.
Um que sinaliza, outro que se esconde.
Nesse mesmo corpo coexistem duas criaturas, tão dispares e gêmeas ao mesmo tempo.
Ligadas pelo mesmo cordão umbilical e separadas pelo que são através de seus anseios.
Somos nós três juntos, o que vê e que narra o que é a metade rebelde e o outro a metade passiva.

Escrito por Andre Luis Aquino



Segundo as lendas germânicas de onde provem o monstro*Doppelgänger é um ser fantástico que tem o dom de representar uma cópia idêntica de uma pessoa que ele escolhe ou que passa a acompanhar (como dando uma idéia de que cada pessoa tem o seu próprio). Ele imita em tudo a pessoa copiada, até mesmo suas características internas mais profundas. O nome Doppelgänger se originou da fusão das palavras alemãs doppel (significa duplo ou duplicata) e gänger (andante, ambulante ou que vaga).

Origem: Wikipédia.

TOQUE DE DEUS


UM HOMEM, PASSEANDO PELO BOSQUE,SUSSUROU:
_DEUS, FALE COMIGO...
E UM PASSARINHO CANTOU...
MAS O HOMEM NÃO OUVIU...
ENTÃO, O HOMEM GRITOU...
_DEUS, FALE COMIGO...
E TROVÕES E RAIOS APARECERAM NO CÈU...
MAS O HOMEM NÃO NOTOU...
O HOMEM OLHOU EM VOLTA E DISSE:
_DEUS DEIXE-ME VER O SENHOR...
E ESTRELAS BRILHANTES APARECERAM...
MAS O HOMEM NÃO PERCEBEU...
O HOMEM GRITOU:
_DEUS MOSTRE-ME UM MILAGRE...
E UMA VIDA NASCEU...
MAS O HOMEM NÃO REPAROU...
ENTÃO O HOMEM CLAMOU EM DESESPERO:
_TOQUE-ME, DEUS. DEIXE-ME SABER QUE O SENHOR ESTÁ AQUI...
E UMA BORBOLETA POUSOU NO SEU OMBRO...
MAS O HOMEM A ESPANTOU...
ISSO É UM GRANDE ENSINAMENTO DE QUE DEUS ESTÁ SEMPRE A NOSSA VOLTA, NAS COISAS QUE NEM IMAGINAMOS...
NAS PEQUENAS E SIMPLES, COMO NAS GRANDES TAMBÉM...
NÃO PERCA AS BENÇÃOS SIMPLESMENTE PORQUE ELAS NÃO ESTÃO "EMBRULHADAS" DE MANEIRA COMO VOCÊ ESPERAVA...
SEJA COMO FOR, JESUS SEMPRE ESTARA COM VOCE.

ENSINANDO-OS A GUARDAR TODAS AS COISAS QUE EU VOS TENHO MANDADO; E EIS QUE EU ESTOU CONVOSCO TODOS OS DIAS, ATÉ A CONSUMAÇÃO DOS SÉCULOS.
AMÉM
MATEUS 28.20
(Recebi esta mensagem por email)

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

BONITAS E SOLTEIRAS


VIDA DE SOLTEIRA
Esta é uma reportagem da revista Claudia sobre a vida das mulheres solteiras: Avulsas X Pegadoras.
Mulheres avulsasPara essa turma, todo programa é uma chance de conhecer alguém para namorar. Na balada, troca telefones, mas espera que ele dê o primeiro passo. Sexo no primeiro encontro? Jamais! Acha que isso desvaloriza a mulher. Pode até transar com um “amigo colorido”, mas não com um desconhecido. E que ninguém a convide para fazer sexo a três ou dê uma de galinha – ela valoriza a intimidade e a fidelidade. Seu lema é: “Não faço com os outros o que não quero que façam comigo”. Essas mulheres estão descobrindo sua sexualidade e seus desejos. E a fase de autoconhecimento pode ser fundamental para que consigam vivenciar a relação a dois com maior liberdade e autonomia”, afirma a psicoterapeuta Ana Cristina Caldeira, de São Paulo.
Pegadoras
Para esse grupo, sexo vem bem antes de romance. Não importa se o parceiro é solteiro, casado, rico, pobre nem se vai ligar no dia seguinte. Transar no primeiro encontro? Por que não? A pegadora não quer saber de compromisso. Já teve parceiros fixos, mas hoje está sem par, quer se divertir, topa tudo por uma boa transa. “Elas buscam autonomia emocional. Muitas já sofreram por amor, por isso imaginam que o único jeito de exercer a individualidade é manter relações passageiras. O problema está em trocar a dependência do parceiro pela dependência da superficialidade. Liberdade é também poder escolher compromisso quando se tem vontade”, afirma a psicóloga Sâmara Jorge, de São Paulo.
Caretas ou pegadoras, mulheres na faixa dos 30 esbanjam autonomia.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

VOCÊ É FORTE


Você é forte quando pega sua mágoa e ensina a sorrir.
Você é corajoso quando supera seu temor e ajuda os outros a fazer o mesmo.
Você é feliz quando vê uma flor e se vê abençoado.
Você é amoroso quando sua própria dor não lhe faz cego à dor dos outros.
Você é sábio quando conhece os limites de sua sabedoria.
Você é verdadeiro quando admite que há vezes em que você se engana.
Você está vivo quando a esperança de amanhã significa mais a você do que o erro de ontem.
Você é livre quando têm o controle de si e não deseja controlar os outros.
Você é honrado quando descobre que sua honra é honrar os outros.
Você é generoso quando pode receber tão docemente quanto você pode dar.
Você é humilde quando você não sabe como pode ser humilhado.
Você é atencioso quando me vê exatamente como sou e me trata exatamente como você é.
Você é misericordioso quando perdoa nos outros as faltas que você condena em si mesmo.
Você é belo quando não precisa que um espelho lhe conte.
Você é rico quando nunca precisa mais do que o que você tem.
Você é você quando está em paz com quem você não é.
O texto acima citado eu encontrei na net, salvei e copiei para ler com mais calma e reflexão.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

SELO CONTINUAR NOSSA AMIZADE EM 2009


Recebi esse selinho da amiga Sonia Regina, obrigada,
aí está ele e as suas regras.

Seguem suas regrinhas:

Você pode:
Ter 10 amigos.
Rir com 9.
Conhecer 8.
Conversar com 7.
Festejar com 6.
Se abrir com 5.
Contar com 4.
Chorar com 3.
Precisar de 2.
Só não pode esquecer de 1: "EU"
Você está proibido de me abandonar...
Quando você receber esta mensagem, mande para os que você
não quer perder a amizade em 2009...
E se você não mandar para alguém...
Significa que não quer mais essa pessoa
como seu amigo...Entendeu?
Então envie essa mensagem a todos da sua lista...
Assim...você saberá com quantos amigos pode
contar no ano vindouro- Vou ficar esperando!!!

Repasso esse selo para todos os amigos da blogsfera
pois não quero perder nenhum.
Obrigada,Sonia Regina.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

NÃO POSSO FAZER ESSA DESPESA


Há alguns anos, quando as vendas de automóveis caíram muito, um vendedor conhecido meu teve a sua renda drasticamente reduzida. Outros teriam continuado a manter o padrão de vida a que estavam acostumados, lançando mão de empréstimos. Mas aquele homem não se envergonhou de dizer: ?Não posso fazer essa despesa.? Ao filho e à filha adolescentes ele informou que não poderiam ir passar o verão onde tinham estado nos últimos quatro anos. Declarou que, em vez disso, a família passearia pelas montanhas, carregando às costas os víveres e os cobertores, pernoitando em abrigos modestos para excursionistas.
E, no inverno, pai e filho apreçaram o material necessário para a excursão, concluindo que era demasiado custoso, e passaram umas dez noites trabalhando em casa para fazerem eles próprios aquilo de que a família precisaria para a excursão. A mãe e a filha planejaram um cardápio em que entrou arroz, feijão, farinha de trigo e outros alimentos não deterioráveis e de pouco peso, em lugar dos enlatados de alto peso.
A família acabou divertindo-se só com a idéia de gastar o mínimo no passeio, partindo de que ?não podiam fazer essa despesa.?
Em anos subseqüentes a família tem tido meios para dar-se ao luxo de hospedar-se em colônias de veraneio, mas as crianças têm dado preferência àquele sistema de férias econômicas.
-- Creio que a nossa família nunca esteve tão unida - comentou comigo o seu chefe, há pouco tempo - Aquele ano de maus negócios não nos ensinou apenas a poupar dinheiro. Fortaleceu-nos o caráter.
"Não podemos fazer essa despesa" é uma frase que deveria fazer parte da educação de todas as crianças. A que nunca ouviu tais palavras e jamais foi compelida a sujeitar-se ao que elas traduzem, foi sem dúvida uma criança defraudada pelos próprios pais.
Assim como o exercício fortalece o corpo, a frugalidade fortalece o espírito.
(Trecho extraído do exemplar de março de 1965, da Seleções do Reader's Digest)

AS COISAS DA CASA QUE SEMPRE QUEBRAM AO MESMO TEMPO







Incrível, esta semana eu estava comentando que as coisas aqui em casa quando começam a quebrar são tudo de uma vez. Eu simplesmente adorei essa charge da cartunista argentina Maitena

Quem me deu este livro foi minha filha, esta charge é parte do livro "Mulheres Alteradas" da mesma autora.