domingo, 31 de maio de 2009

VAI

texto e fotografia de Luis Rodrigues
Vai-se o céu e o mar
vai-se o chão
e os lençóis brancos
dos sonhos de amor.

Falta-me sol sorrisos e água clara.
Há que te procurar por todo o lado
encontrar cura para a dor
morfina

dói-me o corpo
doem-me unhas que não são minhas

sangro todas as palavras
que não cheguei a murmurar
dói-me a cabeça infinita
de negro espaço

carcaças de aves a rasgar
gritos cópulas bestiais
dentes armas facas
soluço veludos com suave vagar

conduz-me as noites
cair luz.
"Mesmo que não conheças nem o mês nem o lugar
caminha para o mar pelo verão"

PRÊMIO BLOG DORADO


Recebi com muita alegria e honra, da Marise Von do Blog, Filosofar é preciso !!!

O prêmio Blog Dorado. Agradeço a premiação.
O mote de criação do prêmio é o seguinte:
"É um prêmio que homenageia os melhores blogs e tem sua simbologia nas cores que utiliza.
A cor azul representa paz, profundidade e imensidão.
A cor dourada a sabedoria, a riqueza e a claridade das idéias. O prêmio em si representa a união entre os blogueiros."
Aos que o aceitarem, agradeço antecipadamente e passo a enunciar as regras: "Colocar o prêmio em situação visível ou linká-lo.
“Anunciar através de um link, o blog que o premiou e premiar até outros 15 blogs, avisando ao blogueiro sobre a premiação.”
Meus indicados são os seguintes blogs:



sexta-feira, 29 de maio de 2009

FADAS

A hierarquia do mundo invisível
Elementais do ar: divididos em sílfides ou fadas das nuvens e fadas das tempestades. As primeiras vivem nas nuvens, são dotadas de elevada inteligência e sua principal atividade é transferir luz para as plantas; interessam-se muito também por animais e por pessoas, para as quais podem agir como protetoras e guias. As fadas das tempestades possuem grande energia e circulam sobre as florestas e ao redor dos picos das montanhas; costumam ser vistas em grupos pelas alturas e só descem à superfície quando o vento está forte.
Elementais da terra: seus principais representantes são os gnomos, criaturas de cerca de um metro de altura que vivem no interior da terra (embora existam gnomos da floresta, que cuidam basicamente das raízes das plantas). Os kobolds, menores que os gnomos, são mais amigáveis e prestativos para os humanos que seus parentes, embora sejam igualmente cautelosos. Os gigantes são entidades enormes que costumam estar ligados à montanhas, embora também possam viver em florestas antigas. Finalmente, os Devas da Montanha, são os elementais da terra mais evoluídos, entidades que permeiam e trabalham com uma montanha ou uma cadeia inteira de montanhas, com sua consciência tão profundamente imersa na Terra que mal tomam conhecimento da existência de criaturas de vida breve, como os homens. Elementais do fogo: as salamandras ou espíritos do fogo, habitam o subsolo vulcânico, os relâmpagos e as fogueiras. São mais poderosas que as fadas dos jardins, mas estão mais distantes da humanidade também. São espíritos de transformação, responsáveis pela conversão de matéria em decomposição em solo fértil. Podem agir também como espíritos de inspiração, mediadores entre o mundo angélico e os níveis físicos de criação (ou seja, agem como musas).Elementais das águas: representados pelas ninfas, ondinas, espíritos das águas e náiades, são responsáveis por retirar energia do sol para transmití-la à água. As ninfas estão ligadas às águas, mas também à montanhas e florestas. Regulam o fluxo da água na crosta terrestre e dão personalidade e individualidade a locais aquáticos, tais como poços, lagos e fontes. Podem assumir a forma de peixes, os quais protegem. As ondinas parecem estar restritas a determinadas localidades, sendo responsáveis pelas quedas d'água e a vegetação circundante. Os espíritos das águas vivem em rios, fontes, lagos e pântanos. Assemelham-se a belas donzelas, muitas vezes com caudas de peixe; gostam de música e dança, e têm o dom da profecia. Embora possam ajudar eventualmente os seres humanos, estes têm de se acautelar com tais espíritos, que podem ser traiçoeiros e afogar pessoas. Da mesma forma que os espíritos das águas, as náiades presidem os rios, correntezas, ribeiros, fontes, lagos, lagoas, poços e pântanos. *(Segundo a teosofia)

O MESMO SOM, A MESMA SOLIDÃO, A MESMA SAUDADE!!!


Tudo está tão calmo
O mesmo som, a mesma solidão, a mesma saudade!!!
Colo a orelha no travesseiro
Para não ouvir meu pensamento
É melhor não ouvir o som
Das explosões das minhas emoções.
Há muitas lágrimas que ocupam minha alma
A solidão encurtou minha existência
Tenho saudades das coisas pequenas que me faziam feliz
*Cantar para fazer um filho dormir (eu sempre dormia primeiro que eles, pois queriam ouvir sempre a mesma musica e eu acabava ficando sonolenta primeiro)
*Fazer um bolo de chocolate (E eles ali, ansiosos esperando o bolo sair do forno pra comer ainda quentinho)
*Sentar a noite na varanda e ri de qualquer bobagem, falar de problemas e nos divertir falando do defeito do outro. (“Somos bobos, mas, nos divertimos muito com nossas bobagens”, é nossa frase preferida)
Saudades de um tempo que não volta mais...
Pode ser que um dia, eu aprenda a lidar com estas emoções...
(A síndrome do Ninho Vazio)
Ângela Guedes

segunda-feira, 25 de maio de 2009

MEL, MINHA NETA!!!



Mel, minha chiquitita!!!
Hoje é o seu aniversário,
Espero que você tenha um dia cheio de alegrias,
Grandes surpresas e ganhe muitos presentes
Que você seja muito feliz,
Que a vida só lhe traga alegrias, realizações e
Que você tenha muita paz e sabedoria.
Te amo muito, minha linda.
Ângela Guedes.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

MINHA PAIXÃO (No mistério do sem-fim)

Foi com agrado que recebi estas
Lindas borboletas!!!
Minha paixão...












































































































































































Com o tempo você vai percebendo que para ser feliz com outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquele alguém que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente não o alguém da sua vida. Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. O segredo é não correr atrás das borboletas... é cuidar do jardim para que elas venham até você. No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

Mário Quintana




Acredita-se que a alma-de-borboleta voa por aí enquanto seu dono está dormindo. Ela viaja entre o tempo e o espaço, encontrando as almas-borboletas de outras pessoas e animais, voltando quando seu dono acorda. As crianças de Myanmar ainda aprendem que nunca se acorda uma pessoa bruscamente, porque a win-laik-pya ("alma de borboleta") pode não conseguir voltar a tempo, o que mataria a pessoa, ou pior... Ela viveria.. sem a alma.

Desconhecido
























No mistério do sem-fim
equilibra-se um planeta.
E, no planeta, um jardim,
e, no jardim, um canteiro;
no canteiro uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro,
entre o planeta e o sem-fim,
a asa de uma borboleta
Cecília Meireles





quinta-feira, 21 de maio de 2009

SOL CÚMPLICE DAS MINHAS FALHAS


Sol, cúmplice das minhas falhas!!!
Preciso do teu calor para colocar
Sobre teus ombros toda minha agonia.
Faz-me revivar a vontade de viver...
Faz-me um carinho, dá um abraço aconchegante
Mostra-me seu poder aquecendo o meu pensar
Tornando meus sonhos dourados...
Mas não fale para a lua, nada que impeça
O encanto da sua chegada.
Ângela Guedes

quarta-feira, 20 de maio de 2009

NA GENERALIDADE

(Imagem net)
Na generalidade, é claro, [as pessoas] representam o papel que a sociedade espera delas: casam, trabalham, têm filhos, fundam um lar, votam, tentam mostrar-se perfeitas e respeitar as leis.

Mas cada uma delas - homems, mulheres, crianças - possui uma vida secreta da qual raramente falam e que quase nunca chegam a revelar.

E esta vida secreta, para cada um de nós, encontra-se povoada de fantasias ardentes, necessidades incriveis e desejos sufocantes

Que não são vergonhosos em si, mas que nos ensinaram a considerar como tal...

(Sanders)

terça-feira, 19 de maio de 2009

O PORTEIRO DO PROSTÍBULO


"Não havia no povoado pior ofício do que 'porteiro do prostíbulo'.
Mas que outra coisa poderia fazer aquele homem? O fato é que nunca tinha aprendido a ler nem escrever, não tinha nenhuma outra atividade ou ofício.
Um dia, entrou como gerente do prostíbulo um jovem cheio de idéias, criativo e empreendedor, que decidiu modernizar o estabelecimento.
Fez mudanças e chamou os funcionários para as novas instruções. Ao porteiro disse:
-- A partir de hoje, o Senhor, além de ficar na portaria, vai preparar um relatório semanal onde registrará quantidade de pessoas que entram e seus comentários e reclamações sobre os serviços.
-- Eu adoraria fazer isso, Senhor - balbuciou - mas eu não sei ler nem escrever!
-- Ah! Quanto eu sinto! Mas se é assim, já não poderá seguir trabalhando aqui.
-- Mas Senhor, não pode me despedir, eu trabalhei nisto a minha vida inteira, não sei fazer outra coisa.
-- Olhe, eu compreendo, mas não posso fazer nada pelo Senhor. Vamos dar-lhe uma boa indenização e espero que encontre algo que fazer. Eu sinto muito e que tenha sorte.
Sem mais nem menos, deu meia volta e foi embora.
O porteiro sentiu como se o mundo desmoronasse. Que fazer? Lembrou que no prostíbulo, quando quebrava alguma cadeira ou mesa, ele a arrumava, com cuidado e carinho.
Pensou que esta poderia ser uma boa ocupação até conseguir um emprego. Mas só contava com alguns pregos enferrujados e um alicate mal conservado. Usaria o dinheiro da indenização para comprar uma caixa de ferramentas completa. Como o povoado não tinha casa de ferragens, deveria viajar dois dias em uma mula para ir ao povoado mais próximo para realizar a compra.
E assim o fez. No seu regresso, um vizinho bateu à sua porta:
-- Venho para perguntar se você tem um martelo para me emprestar.
-- Sim, acabo de comprá-lo, mas eu preciso dele para trabalhar... Já que...
-- Bom, mas eu o devolverei amanhã bem cedo.
-- Se é assim, está bom.
Na manhã seguinte, como havia prometido, o vizinho bateu à porta e disse:
-- Olha, eu ainda preciso do martelo. Porque você não o vende para mim?
-- Não, eu preciso dele para trabalhar e além do mais, a casa de ferragens mais próxima está há dois dias mula de viagem.
-- Façamos um trato - disse o vizinho. Eu pagarei os dias de ida e volta mais o preço do martelo, já que você está sem trabalho no momento. Que lhe parece?
Realmente, isto lhe daria trabalho por mais dois dias... aceitou. Voltou a montar na sua mula e viajou. No seu regresso, outro vizinho o esperava na porta de sua casa.
-- Olá, vizinho. Você vendeu um martelo a nosso amigo. Eu necessito de algumas ferramentas, estou disposto a pagar-lhe seus dias de viagem, mais um pequeno lucro para que você as compre para mim, pois não disponho de tempo para viajar para fazer compras. Que lhe parece?
O ex-porteiro abriu sua caixa de ferramentas e seu vizinho escolheu um alicate, uma chave de fenda, um martelo e uma talhadeira.
Pagou e foi embora.
E nosso amigo guardou as palavras que escutara:
-- Não disponho de tempo para viajar para fazer compras.
Se isto fosse certo, muita gente poderia necessitar que ele viajasse para trazer as ferramentas. Na viagem seguinte, arriscou um pouco mais de dinheiro trazendo mais ferramentas do que as que havia vendido. De fato, poderia economizar algum tempo em viagens. A notícia começou a se espalhar pelo povoado e muitos, querendo economizar a viajem, faziam encomendas.
Agora, como vendedor de ferramentas, uma vez por semana viajava e trazia o que precisavam seus clientes. Com o tempo, alugou um galpão para estocar as ferramentas e alguns meses depois, comprou uma vitrine e um balcão e transformou o galpão na primeira loja de ferragens do povoado. Todos estavam contentes e compravam dele. Já não viajava os fabricantes lhe enviavam seus pedidos. Ele era um bom cliente.
Com o tempo, as pessoas dos povoados vizinhos preferiam comprar na sua loja de ferragens, do que gastar dias em viagens.
Um dia ele lembrou de um amigo seu que era torneiro e ferreiro e pensou que este poderia fabricar as cabeças dos martelos..
E logo, por que não, as chaves de fendas, os alicates, as talhadeiras, etc.. E após foram os pregos e os parafusos....
Em poucos anos, nosso amigo se transformou, com seu trabalho, em um rico e próspero fabricante de ferramentas. Um dia decidiu doar uma escola ao povoado. Nela, além de ler e escrever, as crianças aprenderiam algum ofício. No dia da inauguração da escola, o prefeito lhe entregou as chaves da cidade, o abraçou e lhe disse:
-- É com grande orgulho e gratidão que lhe pedimos que nos conceda a honra de colocar a sua assinatura na primeira página do Livro de Atas desta nova escola.
-- A honra seria minha - disse o homem. Seria a coisa que mais me daria prazer, assinar o Livro, mas eu não sei ler nem escrever, sou analfabeto.
-- O Senhor?!?! - disse o prefeito sem acreditar. O Senhor construiu um império industrial sem saber ler nem escrever? Estou abismado. Eu pergunto: o que teria sido do Senhor se soubesse ler e escrever?
-- Isso eu posso responder - disse o homem com calma. Se eu soubesse ler e escrever... Ainda seria o porteiro do prostíbulo!"
Geralmente as mudanças são vistas apenas como adversidades..
*As adversidades podem ser benefícios.
*As crises estão cheias de oportunidades.
*Se alguém lhe bloquear a porta, não gaste energia com o confronto; procure as janelas.
*Lembre-se da sabedoria da água: a água nunca discute com seus obstáculos, mas os contorna.*

(Contando Histórias)

domingo, 17 de maio de 2009

A TODOS QUE POR AQUI PASSAREM!

A todos que por aqui passarem!
Desejo... Um arco-íris no céu,
Mostrando sua beleza e harmonia.
E que suas lindas cores irradie
Alegria e bondade.
Bondade, para socorrer quem te pede ajuda,
Desejo que este arco-íris faça florescer os sentimentos mais puros...
Ângela Guedes





Desejo a você...
Fruto do mato, cheiro de jardim, namoro no portão, domingo sem chuva, segunda sem mau humor, sábado com seu amor, filme do Carlitos, chope com amigos, crônica de Rubem Braga, viver sem inimigos, filme antigo na TV, ter uma pessoa especial e que ela goste de você.
Música de Tom com letra de Chico, frango caipira em pensão do interior, ouvir uma palavra amável, ter uma surpresa agradável, ver a banda passar.
Noite de lua cheia, rever uma velha amizade, ter fé em Deus... Não ter que ouvir a palavra não nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança, ouvir canto de passarinho, sarar de resfriado, escrever um poema de amor, que nunca será rasgado.
Formar um par ideal, tomar banho de cachoeira, pegar um bronzeado legal, aprender uma nova canção... Esperar alguém na estação.
Queijo com goiabada, pôr-do-sol na roça... Uma festa, um violão, uma seresta. Recordar um amor antigo, ter um ombro sempre amigo, bater palmas de alegria.
Uma tarde amena, calçar um velho chinelo, sentar numa velha poltrona, tocar violão para alguém, ouvir a chuva no telhado, vinho branco, Bolero de Ravel e ...
...muito carinho meu.
Carlos Drummond de Andrade

sexta-feira, 15 de maio de 2009

NOVAS SETE MARAVILHAS DO MUNDO











Grande Muralha, China.
















Ruínas de Petra, Jodânia.












Cristo Redentor, Rio de Janeiro.












Machu Picchu Cusco, Peru.











Chichén Itza Yacatán,México.









Coliseu Roma, Itália.















Taj Mahal Agra, Índia.
São realmente lindas...

quinta-feira, 14 de maio de 2009

CERIMÔNIA DO CHÁ

Senhora vestindo o kimono durante cerimônia do chá ao ar livre, sentada na posição seika.

Visão interior de uma típica sala de Cerimônia do Chá, com tatami, e tokonoma com arranjos de flores

Foto de uma cerimônia do chá. (Colher de chá), sensu (dispensa), garrafa de servir, chasen (whisk) e fukusa (Tecido Roxo)

Os encontros de chanoyu são chamados chakai (茶会, “encontro para chá”) ou chaji (茶事, “assuntos do chá”).


Para participar como convidado em uma cerimônia formal é preciso conhecer os gestos e frases pré-definidos, a maneira apropriada de portar-se na sala de chá, e como servir-se de chá e doces.

O texto que cito logo abaixo é de Terezinha Pereira

Dia desses, a mestramiga convidou suas discípulas
Para, junto a ela, participarem de uma “cerimônia do chá”.
Que fossem de branco e que levassem lápisde variadas cores e uma xícara desalada.
Seria para dividirem, além do chá, o silêncio das falas,
as notas das melodias, olores e sabores diversos,
a diversidade das cores inventadas pelo deus que habita cada ser,
a partir da trindade primária dos pigmentos.
Além disso, precisariam colocar os pés no chão, pedregoso, áspero,
atapetado e caminhar, passos lentos, à luz do fogo de velas,
em direção a seu eu interior e, nesse ponto, atinar o seu ponto da emoção.
Então, por isso mesmo, ninguém foi meio a esmo.
De primeiro, a mandala, cada uma delineada de um jeito,
em preto no papel branco, foi oferecida às convivas.
Era o momento de se usar as cores, pensar seus desejos,
Dos simples aos mais íntimos, ao som de música criada além mar.
E o tempo, o tempo, o tempo……..
Esse se vai, despercebido.
Nem mesmo a mandala estava já coberta de cores.
Chegada era a hora de sentir os pés no chão.
Dar os passos.
Num silêncio de vozes,
ao som de música branda e pura, vinda de terra distante.
Num repente, voz desconhecida, entremeia a música.
Chega para conduzir as caminheiras, em ajustado compasso,
ao destino daquele ir, meditar.
Singular momento……..
Cada ser dentro de seu próprio ser, de seu deus,
criado à sua imagem-semelhança.
Não importa o nome: Deus, Jesus, Flor de Lótus,
Canjerê, Kyrie, Tupã, Javé, Ganesha, Buda……..
Imóveis, olhos fechados, o toque de um sino, seguido da voz da mestra.
Chegara a hora do chá, do retornar ao mundo de fora do corpo.
No abrir dos olhos, vê-se o fogo de velas.
Não se pode dizer, se clareia ou penumbra o ambiente. Apazigua.
Cada uma, uma a uma, é convidada a buscar, na mesa posta,
sua xícara desalada e a seu lugar retornar.
A música que sai do aparelho de som , no servir do chá,
chaleira borbulhante, nesse momento é daqui da terra.
“Theotókos”, que para os do além mar é mãe de Deus,
chega ao som de instrumentos de Urbano Medeiros, que lhe deu vida.
Deveras.
Chegou no momento e no lugar perfeito para ser ouvida.
O sabor dos petiscos exigem, antes, o sentir do seu cheiro.
Disseram, as que lá estiveram, nunca haverem
compartilhado de banquete de tamanho apreço.
Nem faltou o sentir dos laços do abraço, da permuta dos ganhos.
Houve risos, lágrimas, ternura e muito mais. Um sentimento de paz.
E cada uma, praticamente sem dizer mesmo quase nada,
no findar da “cerimônia do chá”, saiu de lá, renovada.
E seu entranhado eu não ficou por isso mesmo.






quarta-feira, 13 de maio de 2009

SELO J'ADORE TIEN BLOG


Recebi da Lucinha esse carinho.
O que temos a fazer é o seguinte:
1º - Colocar o selo no blog
2º - Divulgar as regras
3º - Dizer 5 coisas que se gosta na vida
4º - Indicar 10 blogues para os quais se envia.
5º - Informar os blogues indicados que receberam o selo.

5 coisas que eu gosto na vida:
* Minha família (Adoro, Amo.)
* Encontro sexta à noite com as minhas amigas
* Musicas da Nana Mouskouri
* Cafezinho com chocolate
* Poesias

Os blogues escolhidos são:
Estou curiosa para saber as cinco coisas que vocês gostam.

terça-feira, 12 de maio de 2009

AS DORES NÃO IMPORTAM...


Devolve minha alma
Que te ofereci junto com meu coração
Só assim poderei caminhar
Seguindo a brisa e sentir o seu cheiro
Retira o espinho
Para a primavera vir com suas cores e alegria
As dores não importam...
Elas indicam que já houve
Encanto, calor e harmonia.
Ângela Guedes.

Nada - Hace frio ya



No inverno o sol cansado
a dormir cedo vai.
Não agüenta mais.
Não agüenta mais.

A noite agora desce
com a suas mãos frias sobre mim.
Mas que frio faz.
Mas que frio faz.

Bastaria uma caricia
para um coração de garota,
talvez assim sim
que te amarei.

O que é a vida
sem o amor,
è somente uma arvore
que folhas não tem mais.

E se levanta o vento,
um vento frio,
como as folhas as esperança joga abaixo.
Mas esta vida o que é se faltas tu.

Me sinto uma borboleta
que sobre as flores não voa mais.
Que não voa mais.
Que não voa mais.

Me queimei ao fogo
do teu grande amor que apagou já.
Mas que frio faz.
Mas que frio faz.

Tu garoto me desiludiste,
roubaste do meu rosto
aquele sorriso que
não voltará.

O que é a vida
sem o amor,
è somente uma arvore
que folhas não tem mais.

E se levanta o vento,
um vento frio,
como as folhas as esperança joga abaixo.
Mas esta vida o que é se faltas tu.

Não me amas mais.
Que frio faz.
O que é a vida
se faltas tu.

Não me amas mais....
Hace frio ya (tradução)

domingo, 10 de maio de 2009

sábado, 9 de maio de 2009

PARABÉNS A TODAS AS MÃES!!!



A tradição quer que hoje se festeje o dia da Mãe!

As origens mais antigas desta solenidade remontam à antiga Roma e à antiga Grécia, a festa tinha lugar neste período do ano porque estava relacionado com a primavera e o renascimento da natureza.


A oficialidade desta solenidade, em os "nossos tempos", ocorreu nos Estados Unidos no 1907 em conseqüência da solicitação de uma jovem americana, Anna Jarvis, perdeu sua mãe e entrou em completa depressão. Preocupadas com aquele sofrimento, algumas amigas tiveram a idéia de perpetuar a memória da mãe de Annie com uma festa. Annie quis que a homenagem fosse estendida a todas as mães, vivas ou mortas. Em pouco tempo, a comemoração e consequentemente o Dia das Mães se alastrou por todo Estados Unidos e, em 1914, sua data foi oficializada pelo presidente Woodrow Wilson: dia 9 de Maio.

Em Portugal, o Dia das Mães é celebrado no primeiro domingo de Maio. Já no Brasil, é celebrado no segundo domingo de Maio, conforme decreto assinado em 1932 pelo presidente Getúlio Vargas.

Em Israel o dia da mãe deixou de ser celebrado, passando a existir o dia da família em Fevereiro.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

ENTRELINHAS


Fica nas entrelinhas a água das lágrimas
Que bebi com as dores do passado.
Quero delinear um futuro,
E não dormir mais com a dor.
Vou seguir em frente...
Não sei se estou perto ou longe demais
Se estou na direção certa ou errada.
Tanto faz, já peguei mesmo a contramão
E, mesmo que tudo não ande da forma que eu gostaria,
Vou transformar os anseios em palavras,
Secar a lágrima na penumbra da esperança
Varrer o desânimo...
Fazendo, versos
Que minha alma sopra.
Ângela Guedes