quinta-feira, 19 de maio de 2011

INVERSÃO DE VALORES



Carta enviada de uma mãe para outra mãe em SP, após  noticiário na TV: 
DE MÃE PARA MÃE:
Vi seu enérgico protesto diante das câmeras de televisão contra a transferência do seu filho, menor infrator, das dependências da FEBEM em São Paulo para outra dependência da FEBEM no interior do Estado.
Vi você se queixando da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e das despesas que passou a ter  para visitá-lo, bem como de outros inconvenientes  decorrentes daquela transferência. 
Vi também toda a cobertura que a mídia deu para o fato, assim como vi que não só você, mas igualmente outras  mães na mesma situação que você, contam com o apoio de Comissões Pastorais, Órgãos e Entidades de Defesa de  Direitos Humanos, ONGs, etc... 
Eu também sou mãe e, assim, bem posso compreender seu  protesto.  Quero com ele fazer coro.
Enorme é a distância que me separa do meu filho. 
Trabalhando e ganhando pouco, idênticas são as dificuldades e as despesas que tenho para visitá-lo. Com muito sacrifício, só posso fazê-lo aos domingos porque  labuto, inclusive aos sábados, para auxiliar no sustento e educação do resto da família...
Felizmente conto com o meu inseparável companheiro, que desempenha para mim importante papel de amigo e conselheiro espiritual. 
Se você ainda não sabe, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou estupidamente num assalto a uma vídeo-locadora, onde ele, meu filho, trabalhava durante o dia para pagar os estudos à noite. 
No próximo domingo, quando você estiver abraçando, beijando e fazendo carícias no seu filho, eu estarei visitando o meu e depositando flores no seu humilde túmulo, num cemitério da periferia de São Paulo.... 
Ah! Ia me esquecendo: e também ganhando pouco e  sustentando a casa, pode ficar tranqüila, viu, que eu estarei pagando de novo, o colchão que seu querido filho queimou lá na última rebelião da Febem. 
Nem no cemitério, nem na minha casa, NUNCA apareceu nenhum  representante destas "Entidades" que tanto lhe  confortam, para me dar uma palavra de conforto, e talvez me indicar "Os meus direitos"! 
Recebi este texto por e-mail. Não sei se é ficção ou não, mas achei extraordinário e estou repassando pois é exatamente isso que acontece na vida real a inversão de valores que há no Brasil.




O EX-MENDIGO




Sempre num lugar por onde passavam muitas pessoas, um mendigo sentava-se na calçada e colocava ao lado uma placa com os dizeres:
"Vejam como sou feliz! Sou um homem próspero, sei que sou bonito, sou muito importante, tenho uma bela residência, vivo confortavelmente, sou um sucesso, sou saudável e bem humorado.."
Alguns passantes o olhavam intrigados, outros o achavam doido e outros até davam-lhe dinheiro.Todos os dias, antes de dormir, ele contava o dinheiro e notava que a cada dia a quantia era maior.
Numa bela manhã, um importante e arrojado executivo, que já o observava há algum tempo, aproximou-se e lhe disse:
-Você é muito criativo! Não gostaria de colaborar numa campanha da empresa?
-Vamos lá. Só tenho a ganhar! Respondeu o mendigo.
Após um caprichado banho e com roupas novas, foi levado para a empresa.
Daí para frente sua vida foi uma seqüência de sucessos e com o tempo ele tornou-se um dos sócios da empresa.
Numa entrevista coletiva à imprensa, ele esclareceu como conseguira sair da mendicância para tão alta posição. Contou ele:
-Bem, houve uma época em que eu costumava me sentar nas calçadas com uma placa ao lado, que dizia:
"Sou um nada neste mundo! Ninguém me ajuda! Não tenho onde morar! Sou um homem fracassado e maltratado pela vida! Não consigo um mísero emprego que me renda alguns trocados! Mal consigo sobreviver!"
-As coisas iam de mal a pior quando, certa noite, achei um livro e nele atentei para um trecho que dizia:
"Tudo que você fala a seu respeito vai se reforçando. Por pior que esteja a sua vida, diga que tudo vai bem. Por mais que você não goste de sua aparência, afirme-se bonito. Por mais pobre que seja você, diga a si mesmo e aos outros que você é próspero.."
-Aquilo me tocou profundamente e, como nada tinha a perder, decidi trocar os dizeres da placa para:
"Vejam como sou feliz! Sou um homem próspero, sei que sou bonito, sou muito importante, tenho uma bela residência, vivo confortavelmente, sou um sucesso, sou saudável e bem humorado.."
-E a partir desse dia tudo começou a mudar, a vida me trouxe a pessoa certa para tudo que eu precisava, até que cheguei onde estou hoje. Tive apenas que entender o Poder das Palavras. O Universo sempre apoiará tudo o que dissermos, escrevermos ou pensarmos a nosso respeito e isso acabará se manifestando em nossa vida como realidade. Enquanto afirmarmos que tudo vai mal, que nossa aparência é horrível, que nossos bens materiais são ínfimos, a tendência é que as coisas fiquem piores ainda, pois o Universo as reforçará. Ele materializa em nossa vida todas as nossas crenças.
Uma repórter, ironicamente, questionou:
  • O senhor está querendo dizer que algumas palavras escritas numa simples placa modificaram a sua vida?
    Respondeu o homem, cheio de bom humor:
    -Claro que não, minha ingênua amiga! Primeiro eu tive que acreditar nelas!!!

O CASO DA CALCINHA ANÔNIMA



— De quem é essa calcinha?
A pergunta de Flávia, em tom incisivo, pegou Paulo de surpresa.
— De que calcinha você está falando, mulher?
— Dessa aqui, essa vermelha, obscena, sexy e, ainda por cima, tamanho P!
Flávia há muito deixara de ser tamanho P. Fazia de tudo para não passar para o G, apertando-se num M esgarçado e sempre de algodão e lycra, bem mais elásticas.
Paulo mostra-se tão surpreso quanto Flávia, exibindo uma tranqüilidade irritante:
— Olha, Flávia, você pode não acreditar, mas não faço a menor idéia de quem seja a dona dessa calcinha, muito menos o que ela faz no porta-luvas do meu carro. Você usou o carro ontem, deve ter colocado aí e nem se lembra.
— Você está de gozação comigo, né, seu filho de uma égua? Sabe muito bem que eu não uso tamanho P. Além disso, a calcinha sequer foi usada, está com etiqueta dessa loja caríssima, de lingerie, da qual eu nem passo perto.
Paulo não se deixava abater, e isso causava mais ansiedade em Flávia:
— Meu bem, é óbvio que eu não deixaria aí uma calcinha que não fosse sua. Não seria tão imbecil, a ponto de levantar suspeita, e de forma tão tola. Se eu quisesse presentear alguém com lingerie, mandaria entregar no endereço. Simples assim.
— Ah! Isso demonstra que você já fez isso antes, e não foi comigo!
Flávia estava quase aos prantos, mas sua indignação não a permitia derramar uma gota.
— Minha preciosa, nunca daria presente a mulher alguma, que não fosse você, muito menos lingerie. Sou tão desastrado, que certamente erraria o tamanho. Vê, nem sei o seu, que é minha mulher há tantos anos. Por falar nisso, tem certeza de que não é sua?
Flávia, quase que histérica, agarra a calcinha, a estica de todas as maneiras, coloca na frente de seu corpo vestido, mostrando a enorme diferença entre seu manequim e o da tal calcinha vermelha.
— Veja se pode ser minha, VEJA!
Estava desolada, pensando nos momentos tórridos usufruídos por seu marido, junto à tal "magricela que podia ser sua filha". Seu coração estava aos cacos. Imaginava seu marido fazendo carícias íntimas na menina. Esta, gemendo, tremendo ao contato do corpo másculo de Paulo que, apesar de já ter mais de 45 anos, aparentava ter bem menos, graças à alimentação balanceada e a algumas horas de academia toda semana. Enquanto que ela, mais nova que ele, não vinha mantendo a mesma estética de 5 anos antes, em virtude de uns problemas de descontrole tireoideano, não obstante a medicação e os cuidados recomendados. Também não era muito afeita a academias, ainda mais depois que virou moda entre as meninas perfeitas.
Ela já estava vendo o fim do casamento, percebendo-se descartável, desinteressante e traída, quando Marcos, seu filho mais velho, entra no aposento e arranca a calcinha de sua mão e dá-lhe uma bronca "daquelas":
— Por que você tirou a calcinha da Bebel do porta-luvas? Era surpresa! Agora está toda esticada, com cheiro de comida, feia. Paguei uma nota por ela e não vou ter coragem de presentear a minha gata.
Marcos não sabia, mas havia tirado um peso tão grande dos ombros de sua mãe, que esta, sem titubear, "pagou" o mesmo valor pela tal calcinha, com um enorme sorriso nos lábios, que o filho, atordoado, não entendeu a razão.
Para completar, Paulo abre a carteira e pede ao filho para trazer, também, uma semelhante, só que no tamanho G, da mesma cor e modelo, olhando para Flávia com ar de cumplicidade.
Até hoje Marcos não entende o motivo de sua mãe ter emagrecido tanto, ter mudado o guarda-roupa, ter ficado mais jovial, e da calcinha que seria de Bebel, tamanho P, estar pendurada na moldura do espelho do quarto de seus pais até hoje.
Texto extraído do site http://www.lilianmaial.com


quinta-feira, 5 de maio de 2011

A VOCÊ!!!

"Mãe jovem,
Mãe velhinha,
Mãe rica ou pobrezinha.

A você,
Mãe solteira,
Mãe sozinha,
Mãe de um ou
Mãe de muitos,
Mãe do filho que não veio,
Mãe do filho que já se foi.

A você,
Mãe preta,
Mãe branquinha,
Mãe corajosa, que educa seus filhos.

Todos os dias, a todo momento.
Mãe que às vezes ri e que às vezes chora...
Mãe que às vezes fala e às vezes cala...

A você,
Mãe que estimamos,
Mãe que desconhecemos,
Mãe do filho que não é seu,

A você, Princípio de todo amor,

Esta mensagem

Com muito carinho..."

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Vence na vida quem diz sim




VOU-ME EMBORA PRA PASÁRGADA



Gostaria de compartilhar um dos meus poemas preferidos. 

"Vou-me embora pra Pasárgada

Lá sou amigo do rei

Lá tenho a mulher que eu quero

Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada

Aqui eu não sou feliz

Lá a existência é uma aventura

De tal modo inconseqüente

Que Joana a Louca de Espanha

Rainha e falsa demente

Vem a ser contraparente

Da nora que nunca tive

E como farei ginástica

Andarei de bicicleta

Montarei em burro brabo

Subirei no pau-de-sebo

Tomarei banhos de mar!

E quando estiver cansado

Deito na beira do rio

Mando chamar a mãe-d'água

Pra me contar as histórias

Que no tempo de eu menino

Rosa vinha me contar

Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo

É outra civilização

Tem um processo seguro

De impedir a concepção

Tem telefone automático

Tem alcalóide à vontade

Tem prostitutas bonitas

Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste

Mas triste de não ter jeito

Quando de noite me der

Vontade de me matar

— Lá sou amigo do rei —

Terei a mulher que eu quero

Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada."

Manuel Bandeira

(Texto extraído do livro "Bandeira a Vida Inteira", Editora Alumbramento – Rio de Janeiro, 1986, pág. 90)

terça-feira, 3 de maio de 2011

Não deixe as oportunidades escaparem...



No filme "Perfume de Mulher", há uma cena inesquecível, em que um personagem cego, vivido por Al Pacino, tira uma moça para dançar e ela responde: "Não posso, porque meu noivo vai chegar em poucos minutos..."
Responde ele, "Mas em um momento se vive uma vida" e na seqüência a conduz num inesquecível tango./
Esta rápida cena vale o filme. E, rebatendo isso para nossas vidas temos:
Algumas pessoas vivem correndo atrás do tempo, mas parece que só alcançam quando morrem enfartados, ou algo assim.
Para outros, o tempo demora a passar; ficam ansiosos com o futuro e se esquecem de viver o presente, que é o único tempo que existe.
Tempo todo mundo tem, por igual. Ninguém tem mais nem menos que 24 horas por dia. A diferença é o que cada um faz do seu tempo.
-- Precisamos saber aproveitar cada momento, porque, como disse John Lennon: "A vida é aquilo que acontece enquanto fazemos planos para o futuro".
(texto retirado do site http://www.contandohistorias.com.br/) 

PRECISO DE ALGUÉM




Que me olhe nos olhos quando falo.
Que ouça as minhas tristezas e neuroses com paciência.
E, ainda que não compreenda, respeite os meus sentimentos.
Preciso de alguém, que venha brigar ao meu lado sem precisar ser convocado;
alguém Amigo o suficiente para dizer-me as verdades que não quero ouvir,
mesmo sabendo que posso odiá-lo por isso.

Nesse mundo de céticos, preciso de alguém que creia,
nessa coisa misteriosa, desacreditada, quase impossível: A Amizade.
Que teime em ser leal, simples e justo, que não vá embora se algum dia eu
perder o meu ouro e não for mais a sensação da festa.

Preciso de um Amigo que receba com gratidão o meu auxílio,
a minha mão estendida.
Mesmo que isto seja muito pouco para suas necessidades.

Preciso de um Amigo que também seja companheiro,
nas farras e pescarias,
nas guerras e alegrias, e que no meio da tempestade,
grite em coro comigo :
" Nós ainda vamos rir muito disso tudo" e ria muito.

Não pude escolher aqueles que me trouxeram ao mundo,
mas posso escolher meu Amigo.
E nessa busca empenho a minha própria alma,
pois com uma Amizade
Verdadeira, a vida se torna mais simples,
mais rica e mais bela .

"Obs.: este texto de autoria de Cristiana Passinoto circula na WEB como sendo de autoria de Charles Chaplin, ajude a desfazer esse engano informando aos diversos web masters da internet sua verdadeira origem."