domingo, 28 de dezembro de 2008

PEDAÇOS DE MIM



Que os pedaços de mim, que trago no medo do tempo, não escureçam o meu viver e nem ceguem o que sei.

Peço à vida que não me negue a condição de aprender e tampouco me deixe morrer a vontade de errar.

Que os pedaços de mim possam se unir na alegria da noite abrigando a inquietude de cada gesto refletido à luz de todo dia.

Que vivam os momentos! Se não, aquele que sei contido em toda palavra trocada no peito abrasado.

Que os pedaços de mim busquem a todo instante cada parte de você, seja entregue no querer ou simplesmente descoberta em cada desejar.Indolente na presunção de ser me perco e, mesmo assim, mergulho no orgulho e me nego nas verdades encontradas por onde passei.

Que os pedaços de mim tragam, a seu tempo, toda a carícia do espírito poeta, eternizado a cada letra desenhada no coração apaixonado.

Que todo passo construído oriente, em si, o caminho desse horizonte sem fim e, no fim de tudo, possa recomeçar.

Que os pedaços de mim, espalhados na terra, floresçam com simplicidade na sabedoria de crescer.

Que eu, mesmo desencontrado no alvorecer de minhas causas, deixe por legado os frutos colhidos no contexto das palavras forjadas na emoção.

Que os pedaços de mim, reunidos no que acredito, encontrem, na paz de teu abraço, a luz dos meus sonhos mais saudosos.

E, assim, não mais dividido, viver a vida sem que pedaço algum seja mais de mim ou de você, mas um em cada pedaço de nós.
Poema de Mozart
Postar um comentário