quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

SÓ PEÇO A DEUS



Só peço a Deus

que a dor não me seja indiferente

que a seca morte não me encontre

vazia e só sem ter feito o suficiente


Só peço a Deus

que o injusto não me seja indiferente

que não me esbofeteem a outra bochecha

Depois que uma garra me arranhou essa sorte


Só peço a Deus

que a guerra não me seja indiferente

É um monstro grande e esmaga

Toda pobre inocência da gente

É um monstro grande e esmaga

Toda pobre inocência da gente


Só peço a Deus

que o engano não me seja indiferente

Se um traidor pode mais que uns quantos,

que esses não esqueçam facilmente


Só peço a Deus

que o futuro não me seja indiferente,

Desiludido está o que tem que marchar

para viver uma cultura diferente


Só peço a Deus

que a guerra não me seja indiferente

É um monstro grande e esmaga

Toda pobre inocência da gente

É um monstro grande e esmaga

Toda pobre inocência da gente
(Uma bela canção, uma oração do homem, contra a injustiça. O homem se esqueceu de Deus acredita ser um ser superior e destrói valiosas vidas humanas, destrói a alma, o coração. Não devemos nunca acabar com o sonho de um mundo mais humano, gentil e com muito amor em seus corações para os nossos irmãos seres humanos e todos os seres vivos que habitam o planeta. A vida do homem é um suspiro, é muito curto para desperdiçar com guerra, violência e destruição.)
Postar um comentário