sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Dânae


Não resisti!
Fiquei encantada, com a palestra que minha filha apresentou aqui em Fortaleza.
Um dos assunto, chamou minha atenção...
Uma personagem heróica que representa modelos do inconsciente que dizem muito sobre nós mesmos.
Dânae "Dedicada ao filho, com uma determinação que prescinde o homem, Dânae representa a função materna por excelência", afirma Liliana. A torre de bronze e a caixa de madeira simbolizam a relação intensa que liga mãe e filho. A maioria das mulheres tem o seu momento de Dânae quando prioriza a relação com o filho em detrimento de outras paixões e interesses.
Dânae (ou Dánae) foi, segundo a Mitologia grega, uma princesa que foi alvo do amor de Zeus, de quem teve um filho. Dânae era filha de Acrísio, Rei de Argos, e de Eurídice.
Desapontado por não ter herdeiros masculinos, Acrísio procura um oráculo, o qual respondeu-lhe que, mesmo se escondesse no fim da Terra, seria morto pelo seu neto, filho de Dânae.
A princesa era ainda virgem e, para que jamais tivesse um filho, o rei aprisionou-a numa torre de bronze (segundo a tradição, poderá tê-la escondido também num quarto subterrâneo, cujas paredes se ergueram em bronze, ou numa caverna), que manteve constantemente vigiada por seus guardas mais valorosos. Pretendia, assim, evitar que ela lhe desse um herdeiro, seu futuro assassino.
Apesar de todos esses cuidados, Zeus, tomado de amores pela jovem e bela princesa, transmuta-se numa chuva de ouro, e penetra no edifício por um orifício no teto deste, caíndo sobre o colo de Dânae, engravidando-a.
Foi assim gerado Perseu. Tomando ciência do ocorrido, ordenou Acrísio que fossem, mãe e filho, lançados ao mar, dentro de um baú de madeira. Foi a solução encontrada para que não atraísse contra si a ira do deus, matando-lhe um filho: as águas, supostamente, matá-los-iam.
Mas o destino não favoreceu Acrísio: a pedido de Zeus, Poseidon acalmou os mares, e ambos sobreviveram. Levados pelas correntes até a ilha de Sérifo, foram encontrados por pescadores que então os levaram até o monarca local, Polidetes (ou Polidectes).
Acolhidos por Dites (ou Dictis), irmão do soberano, este educa a criança. O rei acaba apaixonando-se por Dânae. Após alguns anos, pretende desposá-la mas, temendo que o jovem filho se opusesse, ordena-lhe que mate a terrível Medusa, esperando que este fracassasse, morrendo. Este monstro petrificava todos aqueles atingidos por seu olhar, mas o jovem herói consegue realizar seu intento e, na volta, jogos atléticos comemorativos são realizados em Lárissa.
Ali, na platéia, está presente o rei Acrísio. Este é alvejado por um dardo (ou disco, nalgumas versões) lançado por Perseu, cumprindo assim a profecia.
Dizem que enquanto a humanidade dorme, deuses sedutores costumam viajar em chuvas de ouro!
Bonito não é?
Postar um comentário