quinta-feira, 9 de outubro de 2008

CARNE DE PESCOÇO


Gosto dos malucos, doidos, desgraçados

exagerados, tristes, apaixonados

que praticam um suicídio tão diário

por sentirem tanta sede e gana de viver


Gosto dos que crêem na própria insanidade

por saberem-se humanos, limitados, miseráveis

e com isto exercitam a humildade

conscientes de estarem aprisionados

nesta pobre casca humana até morrer


Não gosto de ares de superioridade

(os parâmetros são tão tênues e precários!)

não concedo a ninguém autoridade

- Oh, esses deuses e deusas sectários -

pontificando sobre a vida e o que fazer


Pois na minha prisão de carne e osso

sou única, sou livre, sou colosso

sou meu anjo e meu algoz, fora-da-lei

sou coisa feita e carne de pescoço.

ELIANE STODUCTO.
Postar um comentário