quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

APENAS UMA VAGA LEMBRANÇA


Guardei mágoas até descobrir que estava ocupando, no peito, um lugar bom com coisa ruim. Deixei as mágoas para lá. Preenchi os espaços com boas lembranças e as melhores saudades. Passei a dormir recordando bons momentos e aproveitava para reviver, em sonhos, as passagens coloridas que valeram a pena. A vida melhorou e tudo ficou mais calmo. Santo remédio para as insônias que me compungiam vigílias incômodas!

Boas lembranças o coração transforma em saudades quando existe uma razão. Tanto intróito só para lhe dizer... Você nem imagina o tamanho da saudade em que lhe transformei. Aqui e ali apertava mais aqui dentro e, sem me conter, inventava um desculpa para me fazer presente ou ser recordada. Não queria morrer dentro do seu peito e se enterrada no esquecimento. Queria encontrar um jeito de estar por perto para escutar o chamado de qualquer saudades que também pintasse nas suas lembranças.

Tem sido assim, dia após dia, semana, mês, ano após ano, ao longo de uma vida inteira, como se fosse dona do tempo ou tivesse todo tempo do mundo. Já andei me perguntando as razões dessa obstinação, dessa insistência que às vezes me surpreende e sempre encontro a mesma reposta sincera: é que ainda gosto muito de você. Muito mais do que possa imaginar. Sei que não posso fazer cobranças nem acender luzes dentro do coração de ninguém. Muito menos no seu. Sei que lhe dei, voluntariamente, todas as certezas, desejava apenas uma dúvida para alimentar uma esperança que não queria ver morta. Tem sido responsabilidade minha permanecer nessa teimosia. Toda romântica segue os ditames do coração. Tivesse sido um pouquinho mais realista já estaria longe, muito longe dessa tristeza feito ferida que não sara.

Suas desculpas se escondem nos medos que você diz de se magoar. Como, meu Deus, alguém pode magoar a quem ama, quando tudo que mais sonha é encontrar o lugar onde estão escondidos teus sorrisos, teu rosto alegre, tua paz de espirito? A gente nunca sabe quando o amor começa, mas seguramente nunca esquece quando ele acaba, principalmente se não estávamos preparados para a despedida. Fui pega de surpresa no meio de uma paixão sadia que brotou de um amor forte, consciente, seguro. Perdi todas as direções, todos os referenciais e rumei para o único lugar que apontavam todos os meus sentimentos e emoções: você!

Andei perdendo algumas esperanças, é verdade. Meus sonhos diminuíram, meus pedidos a Deus hoje são mais modestos. As ilusões cederam lugar às realidades com as quais procurei nunca me defrontar, mas ainda me sentia preso ao teu nome, às suas recordações.

Todo sentimento é feito semente, precisa de sol e de chuva para viver. Preciso de um sorriso teu, um gesto amigo, um afago sem compromisso só para não deixar de sumir aquelas imagens de um filme que está desbotando. Não sei como pedir, como insinuar, como fazer você enxergar mais claro, mas preciso lhe dizer que, ainda sou capaz de fazer o que estiver ao meu alcance para lhe deixar adormecer, num cantinho muito especial aqui dentro de mim, como a melhor saudade da minha vida. Em algum lugar do futuro, se muito futuro eu ainda tiver, certamente serei uma mulher profundamente triste se, por sua culpa, única e exclusivamente sua culpa, lá adiante, nesse futuro, quando alguém mencionar seu nome, você tenha se transformado apenas numa vaga lembrança.

Bruxa Escritora

(Não deu pra resistir. Tomei emprestado este texto do Recanto das letras)
Postar um comentário