domingo, 3 de maio de 2009

COMO UMA FÊNIX


No sobrevir da solidão,
Que preenche minha alma
Que torna meus dias vazios
E sem explicação deixa em desespero meu coração
Ouço a voz do silêncio...
Que chega aconselhando...
Chamando-me a vida
E a admirar o mundo,
Que estar a minha espera.
Pois meu isolamento só serviu de tormento!
O passado já se vai distante,
E o futuro... Bem,
O futuro não importa agora.
A vida segue...
E me refaço como uma fênix sem nenhuma piedade e
Apago tudo que ficou para atrás.
Renascerei das minhas cinzas.
Quero somente sentir a vida.
Ângela Guedes
Postar um comentário