domingo, 31 de maio de 2009

VAI

texto e fotografia de Luis Rodrigues
Vai-se o céu e o mar
vai-se o chão
e os lençóis brancos
dos sonhos de amor.

Falta-me sol sorrisos e água clara.
Há que te procurar por todo o lado
encontrar cura para a dor
morfina

dói-me o corpo
doem-me unhas que não são minhas

sangro todas as palavras
que não cheguei a murmurar
dói-me a cabeça infinita
de negro espaço

carcaças de aves a rasgar
gritos cópulas bestiais
dentes armas facas
soluço veludos com suave vagar

conduz-me as noites
cair luz.
Postar um comentário