domingo, 12 de abril de 2009

CRIANÇA ÍNDIGO


O termo criança índigo vem do movimento da Nova Era e da ciência espiritual modernos. Chamam-se crianças índigo a certos seres que supostamente trouxeram características que os diferenciam das crianças normais, tais como : intuição, espontaneidade, resistência à moralidade estrita e uma grande imaginação, juntando-se frequentemente também entre tais capacidades, os dons paranormais. As crianças índigo podem ser vistas como uma espécie de milenarismo, no qual se afirma que tais seres mudarão o mundo até a um estado mais espiritual.
Há que notar que uma boa quantidade das crianças índigo foram classificados de hiperactivos ou com o polémico síndrome de défice de atenção. O qual explicaria em boa medida o interesse de pais e educadores por este assunto.
Também há quem diga que a crença das crianças índigo, é uma reacção de pânico moral à terapia medicamentosa em crianças, particularmente, à (ritalina).
No ano de 1982, a parapsicóloga Nancy Ann Tappe elaborou um sistema para classificar os seres humanos de acordo com a suposta cor da sua aura espiritual. No seu livro: "Compreenda A Sua Vida Através Da Cor" faz um estudo sobre "as cores da vida". Segundo Tappe, cada pessoa possui uma certa cor na sua aura em função da sua personalidade e interesses.
Para Nancy Tappe, no caso das crianças índigo a sua aura tende a mostrar cores anis ou azuis, a qual reflecte uma espiritualidade mais desenvolvida.
A citada Nancy Ann Tappe disse ter detectado pelo seu método, que as auras de côr índigo começaram a aparecer na década de 80 do século XX e que tem uma tendência a proliferar, o que parece justificar o seu papel de transformação da sociedade num futuro breve.
As crianças índigo mostram uma série de atributos sensoriais recorrentes, como a hipersensibilidade auditiva ou a hipersensibilidade táctil.
De igual forma, estas crianças têm um padrão de comportamento similar entre eles, a mencionar:
Chegam ao mundo com sentimento de realeza e a curto tempo se comportam como tais.
Têm a sensação de ter uma tarefa específica no mundo, e se surpreendem quando os outros não a partilham.
Têm problemas de valorização pessoal, a curto tempo os dizem a seus pais quem são.
Custa-lhes aceitar a autoridade que não oferece explicação nem alternativa.
Sentem-se frustrados com os sistemas ritualistas que não requerem um pensamento criativo.
A curto tempo encontram formas melhores de fazer as coisas, tanto em casa como na escola.
Parecem ser anti-sociais, a menos que se encontrem com pessoas como eles.
Não reagem pela disciplina da culpa.
Não são tímidos para manifestar as suas necessidades.
Segundo os investigadores deste tema, há quatro tipos de Índigos: humanista, conceptual, artista e interdimensional.
Humanistas: Muito sociais, conversam com toda a gente e fazem amizades com muita facilidade. São desastrados e hiperactivos. Não conseguem brincar só com um brinquedo, gostam de espalhá-los pelo quarto, embora as vezes não peguem na maioria. Distraem-se com muita facilidade. Por exemplo: se começam a arrumar o quarto e encontram um livro , nunca mais se lembram de acabar as arrumações.
Como profissões, escolherão ser médicos, advogados, professores, vendedores, executivos e políticos. Trabalharão para servir as massas e, claro, actuarão sempre activamente.
Conceptuais: Estão muito mais virados para projectos do que para pessoas. Assumem uma postura controladora. Se os pais não estiverem pelos ajustes e não permitirem esse controlo, eles vão a luta. Tem tendência para outras inclinações, sobretudo drogas aquando da puberdade (quando se sentem rejeitados ou incompreendidos). Daí a redobrada atenção por parte de pais e educadores em relação aos seus padrões de comportamento.
No futuro serão engenheiros, arquitectos, pilotos, projectistas, astronautas e oficiais militares.
Artistas: São criativos em qualquer área a que se dediquem, podendo, inclusive, vir a ser investigadores, músicos ou actores altamente conceituados. Entre os 4 a 10 anos poderão vir a interessar-se ate 15 áreas diferentes (ou instrumentos musicais, por exemplo), largando uma e iniciando outra. Quando atingirem a puberdade, aí sim, escolherão uma área definitivamente.
Serão os futuros professores e artistas.
Interdimensionais: Entre os seus 1 e 2 anos os pais não podem tentar ensinar-lhes nada, pois eles responderão que já sabem e que podem fazer sozinhos. Normalmente, porque são maiores que os outros tipos de índigos, mostram-se mais corajosos ainda e por isso não se enquadram nos outros padrões.
Desta forma, os seus estudiosos acreditam que estas crianças seriam as responsáveis pela introdução de novas filosofias ou espiritualidade no mundo.
Particularmente depois que o médium e orador espírita Divaldo Franco teve uma de suas palestras sobre o tema transcrita e ampliada transformada em livro bilíngüe pelas mãos da neurocientista brasileira Vanessa Anseloni, radicada nos EUA e antiga defensora da integração entre os dois temas o conceito passou a ser visto com simpatia por muitos espíritas.
Para eles, as crianças índigo seriam espíritos exilados de outros mundos. Como não fossem capazes de acompanhar o "progresso moral" de tais planetas, eles teriam sido encaminhados para mundos inferiores, como a Terra, com a meta de auxiliar sua evolução. Os defensores dessa idéia tratam-na como um desenvolvimento do tema migrações espirituais, presente em obras populares no meio espírita brasileiro, como A Caminho da Luz e Exilados de Capela, e pincelado por Allan Kardec em A Gênese.
Por outro lado, há grupos espíritas que são contrários à associação entre o tema crianças índigo e o espiritismo. Defendem que as obras A Caminho da Luz e A Gênese não abordam o termo crianças índigo, tampouco trazem referências às características físicas e psicológicas que costumam ser atribuídas a elas.
Eles repudiam a publicação e tradução de livros relacionados ao tema por editoras que possuem foco de mercado no público espírita, como a Petit, bem como os palestrantes espíritas que utilizam esta temática.
Alguns pesquisadores dizem ser muito difícil haver uma civilização mais evoluída no sistema solar de uma estrela Plêiade como Alcione, conforme afirma Divaldo pois estas teriam apenas cerca de 100 milhões de anos, enquanto a Terra teria demorado quase um bilhão de anos apenas para esfriar e aparecerem os primeiros organismos unicelulares e quase mais quatro bilhões para o surgimento do "Homo sapiens". Além de contestar a suposta influência gravitacional de Alcione na Terra.
Divaldo Franco não reconhece influência mediúnica em suas elaborações sobre o tema. Por se tratar de um palestrante que também se notabilizou como médium, esse fato pode servir como fonte de descrédito, diante de certos setores espíritas, para as idéias que defende sobre crianças índigo.
O boletim Mensagem discute sobre a origem do termo crianças índigo e sua utilização no movimento espírita.
Origem: Wikipédia
Postar um comentário