segunda-feira, 13 de abril de 2009

UM RECADO DIRECIONADO A MIM


Ontem á noite eu estava pulando de blog em blog, procurando algo bom pra ler, quando encontrei este poema...
Nunca mais atravessei o limite
Entre a minha e a sua porta
Pra quê?
Não há nada aí que eu queira ver
O que tinha de seu na minha casa, limpei
O que há de meu na sua nunca mais alcancei
Nunca mais quis suas garras
A perfurar minhas entranhas
Sua alma agora me é estranha
Como uma canção desconhecida
Nunca mais dor
Nunca mais amor
Nunca mais nada
De preferência nunca mais
Você entrando noite a fora nos meus sonhos
Pra sempre quero seguir calada
(Roberta Tum)
Postar um comentário